O aeroporto do Montijo é a primeira opção da Agência Nacional de Aviação (ANA) para complementar o processamento de passageiros do aeroporto da Portela, noticia esta sexta-feira o Diário Económico.

“Sabemos que estamos à frente das outras possibilidades, sabemos que estamos à frente na corrida em relação a este investimento, por comparação com as outras hipóteses em cima da mesa, que são Alverca e o Campo de Tiro de Alcochete, que em parte também está localizado neste concelho”, revelou o presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, ao diário.

A mesma publicação contatou uma fonte da Agência, que garantiu que a ANA já confirmou que o Montijo seria a melhor alternativa para destino de companhias low-cost.

Em entrevista exclusiva ao Distritonline, o autarca admitiu que espera que o “o aeroporto para voos low-cost possa concretizar-se em breve, porque esse investimento – quer seja público ou privado – vai gerar cerca de 4500 postos de emprego indiretos, o que é fundamental para o Montijo”, assegurando que “o aeroporto será uma nova ponte Vasco da Gama”.

A autarquia já entregou um primeiro dossiê à Vinci, dona francesa da empresa de gestão dos aeroportos portugueses, que contém de acordo com o edil “algumas questões fundamentais para a instalação de uma infraestrutura aeroportuária no concelho, relacionadas com as acessibilidades, com a qualidade de vida e com a qualidade ambiental”.

“Exigimos um novo acesso à ponte Vasco da Gama, um novo acesso da cidade à infraestrutura aeroportuária, a conclusão da circular externa do Montijo, a requalificação das salinas do Montijo, a construção de uma rede de águas e de tratamento de esgotos, bem como a melhoria dos transportes públicos”, explicou Nuno Canta.

Recorde-se que, a partir dos 22 milhões de passageiros anuais, a concessionária gerida pelo grupo francês Vinci deverá cobrir integralmente o investimento na construção de um aeroporto complementar ao de Lisboa.