O Museu do Trabalho Michel Giacometti, em Setúbal, ficou entre os cinco finalistas candidatos a Melhor Museu do Ano 2018, distinção atribuída pela Associação Portuguesa de Museologia.

 

O anúncio dos cinco melhores museus portugueses, selecionados num universo de 280 candidaturas, de norte a sul do país, foi feito na sexta-feira em cerimónia realizada no Museu dos Coches, em Lisboa.

 

A escolha do Melhor Museu do Ano 2018 acabou por recair sobre o Museu Metalúrgica Duarte Ferreira, do Tramagal, concelho de Abrantes.

 

O Museu do Trabalho Michel Giacometti regista 15 mil visitas anuais e um índice de satisfação de 5,6 em 6.

 

O equipamento municipal, instalado na antiga fábrica de conservas de peixe Perienes, homenageia o etnomusicólogo corso Michel Giacometti que, em 1987, doou a Setúbal uma coleção de mais de mil peças relacionadas com o trabalho agrícola e doméstico e a cultura popular.

 

O espólio, recolhido durante o Serviço Cívico Estudantil, em 1975, deu inicialmente origem à criação de uma sala de exposições no Convento de Jesus.

 

Em 1991, com a aquisição pela Câmara Municipal de Setúbal da fábrica de conservas Perienes, unidade fabril extinta em 1971, ficou perto de ser tornar realidade a criação de um núcleo museológico destinado a acolher o espólio.

 

O Museu do Trabalho Michel Giacometti abriu as portas ao público em 1995, pensado para refletir os três setores da economia.

 

O primário está patente no mundo rural expresso na coleção etnográfica de Michel Giacometti. O secundário materializa-se no aproveitamento da história do próprio edifício onde foi instalado, a unidade fabril de produção de conservas, representativa do universo industrial e da transformação.

 

O ciclo exibitivo do Museu do Trabalho Michel Giacometti ficou completo em 2002, com a Mercearia Liberdade, representante do setor terciário, do comércio e serviços.

Partilhe esta notícia