O AMAC – Auditório Municipal Augusto Cabrita acolheu durante a tarde de terça-feira, 10 de fevereiro, a Sessão Pública de Apresentação de Estratégia de Desenvolvimento Local (EDL) para o Barreiro.

Esta estratégia será candidatada, ainda durante esta semana, à 1.ª Fase de Pré-Qualificação de Parceria, no contexto da implementação do instrumento ‘Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) – Portugal 2020’. O Protocolo de Parceria DLBC “Barreiro – Redes Que Nos Unem”, foi simbolicamente assinado entre a RUMO e o Município do Barreiro, duas das quarenta e três Entidades Parceiras envolvidas nesta Estratégia. Em abril, saberá conhecido o resultado desta Candidatura.

O Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) visa especialmente promover, em territórios específicos, a concertação estratégica e operacional entre parceiros, orientada para o empreendedorismo e a criação de postos de trabalho, em coerência com o Acordo de Parceria – Portugal 2020 – e no quadro da prossecução dos objetivos da Estratégia Europa 2020.

Através do apoio a estratégias de desenvolvimento local, pretende a Comissão Interministerial de Coordenação, CIC Portugal 2020, promover uma resposta aos elevados níveis de desemprego e índices de pobreza, através da dinamização económica local. A diversificação das economias locais, o estímulo à inovação social e a busca de novas respostas a problemas de pobreza e de exclusão social em territórios desfavorecidos, designadamente em contexto urbano, são os desafios previstos no âmbito deste instrumento de política apoiada pelos Fundos Europeus.

Neste contexto, e em resposta à abertura do concurso, em novembro último, o Núcleo Executivo da Rede Social do Barreiro, com o apoio de técnicos de parceiros locais, com a Câmara Municipal do Barreiro e com o CEDRU – Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, desenvolveram uma estratégia de desenvolvimento local à qual chamaram «DLBC Urbano | BARREIRO – REDES QUE NOS UNEM».

Coube a Augusto de Sousa, da RUMO, entidade gestora responsável pela candidatura perante as Autoridades de Gestão e Pagamento, a apresentação desta estratégia integrada de desenvolvimento territorial que incide, grosso modo, no núcleo histórico do Barreiro – Bairro das Palmeiras – Bairro Alves Redol – Quinta da Amoreira – Vila Chã – Cidade Sol – Quinta da Mina.

No enquadramento da sessão, este responsável referiu que o Grupo de Ação Local Urbano (GAL – Urbano) do Barreiro é uma parceria composta por entidades de natureza provada e por entidades que representam o território de incidência da DLBC – Barreiro – Redes que nos Unem, constituído pela União de Freguesias do Barreiro e Lavradio, União de Freguesias Alto Seixalinho, Santo André e Verderena e Freguesia de Santo António da Charneca.

Segundo ele, a construção desta Estratégia de Desenvolvimento Local “Barreiro – Redes Que Nos Unem” apresenta quatro grandes áreas temáticas: Turismo/Rio/Ambiente | Artes/Cultura/Património | Dinâmica Empresarial | Tecnologia e Desenvolvimento local. Aposta em processos integrados, articulados e participativos pois defende que “o desenvolvimento sustentável e integrado do Barreiro passa pela participação e pela qualificação das comunidades locais”, e integra vários elementos decisivos para o seu desenvolvimento, ou seja: promoção da inclusão pelo emprego e empreendedorismo; articulação entre empresas e escolas; capacitação das comunidades e redes de união; imagem, vizinhanças e qualificação do espaço.

A concluir referiu que “a visão de Comunidades Sustentáveis são lugares onde as pessoas querem viver e trabalhar, agora e no futuro”.

Carlos Humberto de Carvalho, na sua dupla qualidade de Presidente do Município e, por inerência, Presidente do Concelho Local de Ação Social do Barreiro, começou por afirmar que o município trabalha “para as pessoas”. “Aquilo que determina tudo o que fazemos são os seres humanos. Sabemos que devemos intervir por cada um e para todos. E é este o caminho que as entidades que estão aqui presentes têm vindo a fazer”, explicou.

Partilhando com os presentes que é assim que defende “a construção das soluções”, sejam elas para este aspeto em concreto, sejam elas para construir a cidade de uma forma ampla, pois “é assim, e só assim, que é possível chegar mais longe”. Carlos Humberto acrescentou sentir-se satisfeito com esta metodologia de “chamar para participar e para construir a solução, as instituições que representam os cidadãos, pois seria impossível trabalhar com as pessoas todas individualmente”.

Para o edil, este momento, intermédio, em que se encontra a Candidatura “é um momento importante”. “Não podemos perder a visão do todo, a visão integral. Esta DLBC é um elemento da nossa estratégia (se vier a ser aprovada e concretizada) mas temos de juntar a este elemento muitas outras ações no nosso quotidiano”, acrescentou.

Sobre o nome do projeto “Barreiro – Redes que nos Unem”, explicou que é um nome que suscita diversas ideias. “É um Barreiro de que muito gosto e com que muito me identifico. É um Barreiro em Rede, de instituições que trabalham em rede e se complementam, mas também rede, da atividade piscatória, do cerco, e rede daquilo que há-de ser o nosso futuro. Considero que esta designação representa a nossa história mas também o nosso futuro. Parabéns pela solução encontrada”, frisou.

“Nós não queremos mudar a imagem do Barreiro, queremos é mudar a perceção da imagem que as pessoas têm do Barreiro. Queremos que as pessoas nos olhem e compreendam por aquilo que somos. Mas para isso temos de trabalhar”, rematou.

Partilhe esta notícia