Centenas de professores, membros das forças de segurança e profissionais de saúde encheram a plateia do Cinema Teatro Joaquim d’Almeida (CTJA) no dia 25 de março para participar no VI Encontro de Professores e Educadores de Montijo e Alcochete, promovido pelo centro de formação de Montijo e Alcochete (Cenforma).

Como trabalham os professores, as esquipas das escolas segura e os técnicos de saúde, no âmbito da educação para a saúde, quais os resultados obtidos e as dificuldades encontradas foram algumas das questões debatidas na jornada de trabalhos.

O encontro teve como oradores, entre outros, representantes dos agrupamentos de Escolas de Montijo e de Alcochete, elementos da PSP, da Guarda Nacional Republicana (GNR), da Direção Geral de Saúde, das autarquias de Montijo e Alcochete, da secretaria de Estado da Educação e da Direção Geral de Saúde.

Nuno Canta, presidente da Câmara Municipal do Montijo, esteve presente na iniciativa e reconheceu a importância da partilha de experiências para enfrentar os desafios que se impõem. “É urgente criar uma nova agenda para a educação pública. É um sentimento que trago da prioridade que temos dado à escola pública, da proximidade que temos tido com os pais, professores e alunos e das visitas que temos realizado a todas as escolas do concelho”, afirmou.

O presidente acrescentou que apesar do futuro da escola pública ser uma preocupação acredita que “o empenho e capacidade de inovação da comunidade educativa que temos presenciado permite aliar a minha preocupação a uma esperança no futuro”.

“No Montijo, as escolas, têm desenvolvido experiência que considero notáveis em que pais, professores e sociedade civil se empenham nas soluções paras as situações sociais e pedagógicas mais difíceis. São casos singulares com projetos de grande valia a que devemos dar a necessária notoriedade”, disse.

Marta Alves, diretora do Cenforma, referiu que o encontro teve por objetivo “ver e ouvir o que é feito hoje nas nossas escolas, nos centros de saúde, nas esquadras de polícia e segurança pública, nos postos da GNR, a nível dos programas de educação para a saúde”.

“Um trabalho profundo muito importante para a boa formação dos nossos jovens e que não se vê, pois é realizado, discretamente, nos bastidores por uma esquipa de profissionais empenhados. Não se vê, mas tem um efeito, a longo prazo, com imensa relevância”, afirmou a diretora.

O VI Encontro de Professores e Educadores de Montijo culminou com uma palestra proferida por Luís Neto do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, sobre “Bem-estar emocional e aprendizagem”.

Partilhe esta notícia