Existe um partido recente no espectro político português, que dá pelo nome de LIVRE. Este partido não é como os outros. A ação participativa e deliberativa faz parte do seu ADN. Embora essa génese implique um árduo esforço na constituição partilhada de todas as etapas e documentação do partido, desde os seus estatutos ao programa para atos eleitorais, é também extremamente gratificante para todos os que se envolvem no mesmo e se sentem parte de algo muito maior. Este sentimento de inclusão que paira no LIVRE é real e não apenas encenações ocasionais para um qualquer Congresso passageiro.

Quem nos olha de fora, a uma distância criticavelmente segura, duvida desta lufada de ar fresco, mas quem se aproxima sente essa brisa. A energia que está no pulso de todos os que pretendem fazer algo mais pelo seu país, mesmo que necessitem sair da sua zona de conforto. Nós, os que andamos por lá, sentimos que temos voz e que isso é infindavelmente mais importante do que ter um palco…

Neste partido não existem lugares marcados nem política por convite. Todos partem em pé de igualdade. Para serem candidatos a qualquer eleição terão de se submeter ao processo de primárias abertas. Isto quer também dizer que, pela primeira vez, qualquer cidadão, que se reveja nos princípios do LIVRE e no seu programa, pode ser candidato eleitoral, sem ter de se submeter aos normais jogos e favores partidários.

Podemos dizer que o LIVRE veio para democratizar a própria democracia, tornando-a mais acessível e transparente. Numa época em que os políticos são apelidados dos mais diversos cognomes, maioritariamente pejorativos, e em que a política anda pela ruas da amargura, não pode deixar de ser considerado como um ato de coragem a criação um partido político.

Feito por pessoas comuns e para pessoas comuns, o LIVRE aposta nas suas bases e no conhecimento que estas podem trazer para a política, apelando a todos os que comunguem dos valores de uma esquerda ambientalmente responsável e de uma solidariedade europeia e progressista, para que se juntem a este projeto. Só assim podemos credibilizar a política – dando-lhe conteúdo; importando conhecimento e novas ideias para Portugal.

Outro caminho é possível, que não o da institucionalização da austeridade. Trata-se de um caminho que respeite a Constituição e que promova a construção de um memorando para o desenvolvimento, que funcionará como pedra basilar para o relançamento do país numa ótica progressista.

Este é o caminho que o LIVRE aposta trilhar e este é o projeto que estou certo acordará muitas pessoas da apatia, transmitindo-lhes a noção de que podem também fazer parte da mudança. A construção de um partido de múltiplas esquerdas e de múltiplas vozes, que aposta sempre no diálogo no compromisso e na convergência, como única forma que conhece de fazer política. Uma forma que certamente não é fácil, mas que é indubitavelmente séria.

Em menos de um ano de existência o LIVRE já fez muito, mas tem vontade para fazer muito mais. Atualmente o partido encontra-se focado em 2 vetores: as políticas de convergência tendo em vista um possível compromisso eleitoral já para as próximas eleições legislativas; a implantação do LIVRE no terreno através da criação dos Núcleos Territoriais, estruturas descentralizadoras que visam aproximar o partido da população local.

Em Setúbal nascerá um Núcleo Territorial do LIVRE com uma abrangência distrital. Mais uma tarefa hercúlea, que é quase o habitat natural do LIVRE. Numa lógica geográfica de proximidade, o futuro Núcleo Territorial apostará no trabalho de campo, no contacto com as populações, na promoção de debates onde se formulem opções claras que respondam aos problemas concretos dos concelhos e das suas gentes. Reunirá com as forças vivas do distrito: associações, coletividades, instituições de solidariedade social, partidos políticos e todos os que nos queiram ouvir ou simplesmente falar, fazendo jus à sua política de diálogo e compromisso, tão estimada no seio do partido.

Este percurso que agora se inicia tornar-se-á um pouco menos difícil à medida que as pessoas forem aderindo ao projeto. Os princípios do LIVRE e o que defende estão bem explanados no site do partido em www.livrept.net, encontrando-se também espelhado nas habituais redes sociais. A Comissão Instaladora do Núcleo Territorial de Setúbal tem ao dispor de todos um endereço de correio eletrónico – livre.setubal@gmail.com – onde podem colocar as vossas dúvidas ou fazer as vossas sugestões. Juntem-se ao LIVRE e apoiem o Núcleo Territorial de Setúbal através da vossa intervenção. Basta dar um pouco do vosso tempo a esta causa, que visa tão simplesmente, em primeira análise, a implantação de um governo de esquerda em Portugal, com uma visão plural e uma política progressista e sustentável para o desenvolvimento económico. Dito assim parece mesmo simples. E, se depender de nós e de grande parte da massa crítica, que existe, mas resiste em enveredar num projeto político, será exequível.

O momento é agora! E o LIVRE é o veículo para construção de um futuro a várias vozes!

 

Miguel Dias

Membro da Assembleia do LIVRE e Membro da Comissão Instaladora do Núcleo Territorial de Setúbal

Partilhe esta notícia