Surgiram algumas vozes surpreendidas com o voto de abstenção do CDS-PP na última sessão da Assembleia Municipal de Almada nas Grandes Opções do Plano e Orçamento para 2015 proposto pela Câmara Municipal de Almada.

Alguma surpresa foi baseada na postura e posição firme que o CDS-PP em Almada tem tido para com a câmara municipal e para com as políticas despesistas e pela falta de um plano estratégico para o desenvolvimento do concelho e que muito tem marcado a atitude critica do partido durante os últimos anos.

Convém então esclarecer os nossos militantes, eleitores e restantes munícipes que o CDS-PP em Almada não se desviou um milimetro daquilo que tem sido a sua postura e forma de olhar para com a inércia e falta de ideias e de propostas concretas preconizada ao longo de quarenta anos de poder do partido comunista no concelho.

O CDS-PP manter-se-á atento e vigilante com as opções que a câmara tomar ao longo deste ano, tal como com os gastos decorrentes da gestão municipal e nem hesitaremos como temos vindo a fazer até aqui, em denunciar e exigir explicações ao executivo quando entendermos ser necessário agindo em defesa da população e dos valores democráticos e da transparência política.

Em concreto, o voto de abstenção por parte do CDS-PP ao orçamento para este ano muito tem a ver com a concretização de uma das medidas que o CDS-PP mais tem insistido em Almada, o reforço de verbas para a acção social.
Verbas essas que o CDS-PP teve oportunidade de transmitir serem prioritárias nas várias reuniões que manteve com o presidente da câmara e onde deixou em cima da mesa as várias preocupações que o partido tem para com os mais desfavorecidos no concelho de Almada, insistindo que essas preocupações passariam também pela falta de investimento na área social, mais concretamente o apoio a famílias carenciadas e de menor rendimento.

Vendo esse reforço concretizado nas opções do plano para o presente ano, entendeu o CDS-PP, não passar um cheque em branco ao partido comunista e muito menos dar um voto de confiança, mas sim dar um sinal para a abertura de um maior diálogo e concertação futura no que respeita à área social que tanto o concelho precisa ver reforçada.

Desta feita, irá o CDS-PP manter os mesmos princípios com que se tem pautado ao longo dos últimos anos sempre aberto diálogo responsável e construtivo, mantendo-se ao mesmo tempo leal ao seu programa eleitoral e ao compromisso que firmou com os seus eleitores em Almada preservando e reforçando a sua confiança.

António Pedro Maco
Presidente da CPC de Almada do CDS-PP, Conselheiro Nacional e Deputado Municipal do CDS-PP

Partilhe esta notícia