Num ano em que se prevêem grandes dificuldades para as empresas e cidadãos
e quando era expectavel um apoio real, somos brindados com um orçamento
de estado (O), que trás com ele mais um aumento de impostos.
Aumenta o Imposto sobre Veiculos (ISV), o Imposto Único de Circulação (IUC),
aumentam também os impostos sobre o álcool, o tabaco, sobre as bebidas
açucaradas e ao mesmo tempo que o maior imposto indireto (IVA), se mantem
inalterado.
É porém a manutenção dos impostos associados aos combustiveis que é mais
dificil de entender, num momento em que estes atingem valores historicos.
Não será portanto um O adequado às necessidades e expectativas de uma
economia que definha, enquanto para a TAP se destinam quase mil milhões de
euros!
A esquerda prostituta, vender-se-á novamente para viabilizar um E que
sobrecarrega e penaliza os contribuintes, a troco de se manter no poder e
manter no poder (na máquina do estado), centenas de “boys & girls”, à custa de
uma ideologia que nos quer ver apenas como números, pagantes de impostos,
para depois alimentarem esta máquina de parasitas e subsidio dependentes.
Não são boas notícias para os contribuintes que terão que continuar a apertar o
cinto para alimentar a “máquina partidária do estado”, e a crescente e sempre
presente clientela politica parasitaria que se senta à mesma mesa.
E nós servimos e pagamos a conta, sempre com IVA como e claro.


Por Nuno Gabriel
Membro da Assembleia Municipal de Setúbal pelo Partido CHEGA