Tal como PCP tem vindo a alertar há muito tempo, a degradação da qualidade do serviço nostransportes públicos é uma realidade com consequências gravosas nas condições de vida das populações, dos trabalhadores e dos utentes.

No transporte ferroviário, a falta de investimento na renovação e manutenção de instalações e equipamentos das estações e apeadeiros, na capacidade de resposta dos serviços de manutenção de material circulante e equipamento ferroviário, bem como as restrições à admissão de pessoal e até à substituição de trabalhadores – toda esta situação está a ter consequências muito sérias no funcionamento do serviço, nas condições de trabalho dos ferroviários e na qualidade da oferta de transporte às populações.

O que está a acontecer na Linha do Sado é exemplo disso. Têm vindo a verificar-se supressões de comboios, obrigando os utentes a esperar uma hora e mais sem comboios. No mês de Setembro, foram várias as vezes em que isso aconteceu, ou por falta de pessoal ou por avarias constantes de material (com a agravante da falta de unidades de reserva).

Há um sentimento de indignação e até de insegurança que resulta do estado de degradação das
estações e apeadeiros, do vandalismo, da falta de limpeza (de que são exemplo Barreiro A e Baixa da Banheira), elevadores e outros meios mecânicos avariados.

Temos o testemunho de trabalhadores e utentes que nos dá conta da falta de informação junto das máquinas de bilhetes, horários, preços, bem como de avarias constantes das máquinas de bilhetes – havendo dias em estão todas as máquinas com problemas, ou não aceitando notas, ou não aceitando moedas, ou não aceitando multibanco, ou não tendo bilhetes, etc., etc..

Esta situação exige medidas concretas para a melhoria das condições do serviço e para a recuperação, reparação e renovação das instalações, equipamentos, material circulante, etc. – e para o reforço do pessoal ao serviço na operação e atendimento ao público.

O grupo parlamentar do PCP na Assembleia da República questionou o Governo sobre qual o acompanhamento e avaliação que o Governo tem face a este quadro de degradação acentuada da qualidade do serviço e das condições de transporte ferroviário na Linha do Sado, que medidas estão a ser desenvolvidas por parte das empresas em questão (nomeadamente da CP e da ex-REFER, atual IP) para dar resposta a estes problemas que são cada vez mais sentidos pelos trabalhadores e utentes.
Gabinete de Imprensa da DORS do PCP

Partilhe esta notícia