O PCP afirmou esta quarta-feira que o Executivo da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro “não pretende viabilizar o Orçamento para 2015, manifestando uma evidente falta de ideias e um desrespeito não só pelos eleitos mas inclusivamente pela população que os elegeu”.´

O órgão comunista salienta ainda que o Executivo tem transmitido a “ideia errada” de que a Junta “dificilmente poderá funcionar com o chumbo do orçamento”, no entanto “tal não corresponde à realidade visto que quando o orçamento é reprovado, mantém-se em vigor o do ano anterior”.

 

Leia a nota de imprensa na íntegra:

Nos últimos dois meses temos assistido a alguns lamentos por parte do Executivo da Junta de Freguesia da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro pelo simples facto de ter sido reprovada a sua proposta de Orçamento para 2015.

A vida democrática nos órgãos autárquicos permite rejeitar qualquer proposta desde que a maioria dos membros, eleitos pela população, que constituem esse órgão não esteja de acordo com a mesma.

Aliás, em democracia não poderia ser de outra forma, se constatarmos que a proposta de Orçamento é um documento insuficientemente elaborado, que não transportando nada de novo, é nosso dever rejeitá-lo.

Quem ouvisse tais lamentos poderia facilmente ficar com a ideia, errada, de que agora a Junta dificilmente poderá funcionar. Tal não corresponde à realidade visto que quando o orçamento é reprovado, mantém-se em vigor o do ano anterior.

Quer isto dizer que o Executivo da Junta poderá fazer tudo o que previa fazer, segundo afirmou o próprio Presidente da Junta quando confrontado pela CDU.

Na Assembleia de Freguesia extraordinária convocada pelo Executivo da Junta para o passado dia 3, foi apresentada por este exatamente a mesma proposta de orçamento, sem qualquer tipo de alteração, e que foi mais uma vez rejeitado.

Assim se conclui, que é o próprio executivo que não pretende viabilizar o Orçamento para 2015, manifestando uma evidente falta de ideias e inclusive um desrespeito não só pelos eleitos mas inclusivamente pela população que os elegeu.

Pela nossa parte fica o compromisso, continuaremos a ser leais aos nossos princípios, aos trabalhadores e à população da Freguesia, votando contra quando não concordamos e aprovando quando estamos de acordo, tomando as decisões de acordo com o que consideramos ser o melhor para o Montijo e Afonsoeiro.