Chegaram ao conhecimento do Grupo Parlamentar do PCP preocupações com as condições de funcionamento na Escola Secundaria do Pinhal Novo, devido à falta de funcionários, em particular de assistentes técnicos e de assistentes operacionais.
 
A Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Secundária do Pinhal Novo alerta para esta realidade. Numa carta dirigida ao grupo parlamentar refere que “o corpo de pessoal não docente da Escola, não é renovado de forma a dar continuidade aos processos em curso, encontra-se deficitário por razões etárias e que as actuais formas de administração e gestão, exigem estabilidade, evitando contratações anuais que não contribuem para a fluidez normal dos processos administrativos da Escola com recursos a programas centrais de administração escolar com base nas novas tecnologias de informação.”
 
A carência de assistentes técnicos está a colocar em causa o normal funcionamento dos processos administrativos, incluindo o atendimento na secretaria a docentes, funcionários,
alunos e pais.
 
A carência de assistentes técnicos e de assistentes operacionais impossibilita não só o
adequado funcionamento da escola, mas também o processo ensino/aprendizagem dos
estudantes.
A carência de funcionários das escolas é uma realidade que já vem de longe, mas que se agravou bastante durante a governação de PSD e CDS. Decorre do desinvestimento na escola pública.
 
É urgente a adoção de medidas para suprir as necessidades de funcionários na Escola
Secundária do Pinhal Novo, de forma a assegurar o seu normal funcionamento.
 
Os deputados do PCP, Paula Santos, Francisco Lopes e Bruno Dias, quiseram saber como avalia o Governo as condições de funcionamento na Escola Secundária do Pinhal Novo.
 
Que medidas pretende o Governo tomar com brevidade para reforçar o número de
funcionários nesta escola e se vai proceder à abertura de procedimento concursal para a
contratação dos funcionários em falta assegurando-lhe o vínculo público efetivo.
 
O Gabinete de Imprensa da DORS do PCP
Partilhe esta notícia