Filipe Gaivão está a pedalar pelo país para sensibilizar para a Síndrome de Asperger. Com um percurso de 1.300 quilómetros, que vai ligar Braga a Lisboa, a iniciativa conta ainda com o apoio de algumas figuras públicas, como Mariana Monteiro, Cuca Roseta e Marisa Liz.

O ciclista Filipe Gaivão juntou-se à Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA) através do desafio de pedalar pelo país, em prol das pessoas com Síndrome de Asperger. A APSA está a acompanhar o ciclista em algumas etapas, onde apresenta, também, sessões de sensibilização sobre a síndrome de asperger e de atendimento às famílias. Em Setúbal a sessão de sensibilização realiza-se no Salão Nobre dos Paços do Concelho, sexta-feira, dia 23 de julho às 18h00. 

A iniciativa está a decorrer até dia 24 de julho com o ciclista Filipe Gaivão a realizar uma jornada de 1.300 quilómetros, em 12 dias, e que liga Braga a Lisboa. Depois de um desafio que liga o Norte a Sul do país, esta aventura termina na Casa Grande, sede da APSA em Benfica, Lisboa. 

Para assinalar a chegada do ciclista, a APSA convida algumas figuras públicas, que se associam a esta causa e participam na última etapa do percurso (Belém-Benfica). A conclusão desta iniciativa será ainda marcada por um pequeno concerto da Banda APSA – a banda composta por jovens com SA.

Piedade Líbano Monteiro, Presidente da APSA explica: “a iniciativa é uma prova dura para o Filipe Gaivão, que muito agradecemos o esforço e dedicação, e que queremos acompanhar de perto não só para o apoiar, mas também para levar informação que fará certamente a diferença para muitas famílias. Este desafio é uma oportunidade de descentralizar o nosso apoio, através da partilha do conhecimento que temos vindo a adquirir sobre a síndrome de asperger. Como costumamos dizer, esta é uma diferença que não está na cara, mas existe!”.

A SIC Esperança é o parceiro social desta ação. As sessões de sensibilização a realizar em Braga, Castelo-Branco e Setúbal contam com o apoio das autarquias locais. Na cidade de Évora a APSA conta com o apoio da Reitoria da Universidade de Évora.

PROGRAMA PEDALAR PELA SÍNDROME DE ASPERGER

13 de julho – 11h30 PARTIDA DE BRAGA – Montalegre

14 de julho – Montalegre – Vila Real

15 de julho – Vila Real – Viseu

16 de julho – Viseu – Guarda

17 de julho – Guarda – Castelo Branco (Chegada às 15h45)

18 de julho – Castelo Branco – Portalegre

19 de julho – Portalegre – Évora (Chegada às 17h00)

20 de julho – Évora – Beja – Castro Verde

21 de julho – Castro Verde – Faro

22 de julho – Faro – Odemira

23 de julho – Odemira – Setúbal (Chegada às 16h30)

24 de julho – Setúbal – CHEGADA A LISBOA às 14h30 (Casa Grande, Sede da APSA)

Informação completa sobre o percurso e horários disponíveis no website da APSA. Para acompanhar a iniciativa consultar as redes sociais da APSA, nomeadamente o Facebook e o Instagram.

     

Sobre a APSA:

A Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), sem fins lucrativos, que nasceu em Lisboa a 7 de novembro de 2003 por vontade de um grupo de pais.

A missão da APSA é a promoção do apoio e da integração social das pessoas com Síndrome de Asperger (SA) de forma a favorecer as condições necessárias para uma vida autónoma e mais digna. A APSA apoia e orienta pessoas com SA de todas as idades e as suas famílias a nível nacional. Realiza webinars, seminários, sessões de sensibilização em todo o país para desdramatizar e explicar o que é a SA. Faz também a tradução e edição de livros sobre esta problemática. 


Estima-se que em Portugal existam mais de 40.000 pessoas com Síndrome de Asperger, na sua maioria rapazes. A Síndrome de Asperger é uma perturbação do espectro do autismo (PEA), que se manifesta sobretudo por alterações na interação social, na comunicação e no comportamento. Embora seja uma disfunção com origem num funcionamento cerebral particular, não existe marcador biológico, e o diagnóstico baseia-se num conjunto de critérios comportamentais, não existindo cura para a SA.

A CASA GRANDE é uma resposta social pioneira da APSA, em Lisboa, destinada a jovens adultos a partir dos 18 anos, com Síndrome de Asperger, com o objetivo de os capacitar para a inclusão na vida social e profissional. Foi precisamente nesta faixa etária que se encontrou uma lacuna de resposta para estas pessoas. O trabalho de intervenção com cada jovem adulto é realizado por uma equipa multidisciplinar de profissionais que de acordo com o perfil individual de funcionalidade planeia uma intervenção adaptada a cada um, acompanhando-o na escola/emprego, junto da família e na comunidade.

A CASA GRANDE começou a funcionar e receber jovens em janeiro de 2014, que, através de uma tutoria/mediação, são conduzidos na capacitação de competências para inclusão, por uma equipa multidisciplinar que acompanha transversalmente todo o processo, nomeadamente, através do seguimento da tríade FAMÍLIA, JOVEM e COMUNIDADE” explica Piedade Líbano Monteiro.

O «Programa de Empregabilidade» visa a capacitação destes jovens adultos, com mais de 18 anos, para a vida ativa. É o culminar de um treino de competências sociais e autonomia funcional que todos estes jovens passam na Casa Grande. Este programa visa a integração na vida ativa e no mercado de trabalho. Tem crescido ao longo dos anos, numa média de dois dígitos não só em numero de jovens como em numero de empresas que aderem à rede, e apresenta uma taxa de sucesso de 90%.  Para este efeito a APSA tem protocolos com algumas das maiores empresas portuguesas, tendo o selo de “Empresas Receptivas”, como a REN, Accenture, Jerónimo Martins, Santander, Recolte, Quinta D’Avó, Hospital da Luz, Sonae Sierra, Recolte, Fujitsu, Hovione, El Corte Inglês, CUF, entre outras.

Filipe Gaivão está a pedalar pelo país para sensibilizar para a Síndrome de Asperger. Com um percurso de 1.300 quilómetros, que vai ligar Braga a Lisboa, a iniciativa conta ainda com o apoio de algumas figuras públicas, como Mariana Monteiro, Cuca Roseta e Marisa Liz.

O ciclista Filipe Gaivão juntou-se à Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA) através do desafio de pedalar pelo país, em prol das pessoas com Síndrome de Asperger. A APSA está a acompanhar o ciclista em algumas etapas, onde apresenta, também, sessões de sensibilização sobre a síndrome de asperger e de atendimento às famílias. Em Setúbal a sessão de sensibilização realiza-se no Salão Nobre dos Paços do Concelho, sexta-feira, dia 23 de julho às 18h00. 

A iniciativa está a decorrer até dia 24 de julho com o ciclista Filipe Gaivão a realizar uma jornada de 1.300 quilómetros, em 12 dias, e que liga Braga a Lisboa. Depois de um desafio que liga o Norte a Sul do país, esta aventura termina na Casa Grande, sede da APSA em Benfica, Lisboa. 

Para assinalar a chegada do ciclista, a APSA convida algumas figuras públicas, que se associam a esta causa e participam na última etapa do percurso (Belém-Benfica). A conclusão desta iniciativa será ainda marcada por um pequeno concerto da Banda APSA – a banda composta por jovens com SA.

Piedade Líbano Monteiro, Presidente da APSA explica: “a iniciativa é uma prova dura para o Filipe Gaivão, que muito agradecemos o esforço e dedicação, e que queremos acompanhar de perto não só para o apoiar, mas também para levar informação que fará certamente a diferença para muitas famílias. Este desafio é uma oportunidade de descentralizar o nosso apoio, através da partilha do conhecimento que temos vindo a adquirir sobre a síndrome de asperger. Como costumamos dizer, esta é uma diferença que não está na cara, mas existe!”.

A SIC Esperança é o parceiro social desta ação. As sessões de sensibilização a realizar em Braga, Castelo-Branco e Setúbal contam com o apoio das autarquias locais. Na cidade de Évora a APSA conta com o apoio da Reitoria da Universidade de Évora.

PROGRAMA PEDALAR PELA SÍNDROME DE ASPERGER

13 de julho – 11h30 PARTIDA DE BRAGA – Montalegre

14 de julho – Montalegre – Vila Real

15 de julho – Vila Real – Viseu

16 de julho – Viseu – Guarda

17 de julho – Guarda – Castelo Branco (Chegada às 15h45)

18 de julho – Castelo Branco – Portalegre

19 de julho – Portalegre – Évora (Chegada às 17h00)

20 de julho – Évora – Beja – Castro Verde

21 de julho – Castro Verde – Faro

22 de julho – Faro – Odemira

23 de julho – Odemira – Setúbal (Chegada às 16h30)

24 de julho – Setúbal – CHEGADA A LISBOA às 14h30 (Casa Grande, Sede da APSA)

Informação completa sobre o percurso e horários disponíveis no website da APSA. Para acompanhar a iniciativa consultar as redes sociais da APSA, nomeadamente o Facebook e o Instagram.

     

Sobre a APSA:

A Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), sem fins lucrativos, que nasceu em Lisboa a 7 de novembro de 2003 por vontade de um grupo de pais.

A missão da APSA é a promoção do apoio e da integração social das pessoas com Síndrome de Asperger (SA) de forma a favorecer as condições necessárias para uma vida autónoma e mais digna. A APSA apoia e orienta pessoas com SA de todas as idades e as suas famílias a nível nacional. Realiza webinars, seminários, sessões de sensibilização em todo o país para desdramatizar e explicar o que é a SA. Faz também a tradução e edição de livros sobre esta problemática. 


Estima-se que em Portugal existam mais de 40.000 pessoas com Síndrome de Asperger, na sua maioria rapazes. A Síndrome de Asperger é uma perturbação do espectro do autismo (PEA), que se manifesta sobretudo por alterações na interação social, na comunicação e no comportamento. Embora seja uma disfunção com origem num funcionamento cerebral particular, não existe marcador biológico, e o diagnóstico baseia-se num conjunto de critérios comportamentais, não existindo cura para a SA.

A CASA GRANDE é uma resposta social pioneira da APSA, em Lisboa, destinada a jovens adultos a partir dos 18 anos, com Síndrome de Asperger, com o objetivo de os capacitar para a inclusão na vida social e profissional. Foi precisamente nesta faixa etária que se encontrou uma lacuna de resposta para estas pessoas. O trabalho de intervenção com cada jovem adulto é realizado por uma equipa multidisciplinar de profissionais que de acordo com o perfil individual de funcionalidade planeia uma intervenção adaptada a cada um, acompanhando-o na escola/emprego, junto da família e na comunidade.

A CASA GRANDE começou a funcionar e receber jovens em janeiro de 2014, que, através de uma tutoria/mediação, são conduzidos na capacitação de competências para inclusão, por uma equipa multidisciplinar que acompanha transversalmente todo o processo, nomeadamente, através do seguimento da tríade FAMÍLIA, JOVEM e COMUNIDADE” explica Piedade Líbano Monteiro.

O «Programa de Empregabilidade» visa a capacitação destes jovens adultos, com mais de 18 anos, para a vida ativa. É o culminar de um treino de competências sociais e autonomia funcional que todos estes jovens passam na Casa Grande. Este programa visa a integração na vida ativa e no mercado de trabalho. Tem crescido ao longo dos anos, numa média de dois dígitos não só em numero de jovens como em numero de empresas que aderem à rede, e apresenta uma taxa de sucesso de 90%.  Para este efeito a APSA tem protocolos com algumas das maiores empresas portuguesas, tendo o selo de “Empresas Receptivas”, como a REN, Accenture, Jerónimo Martins, Santander, Recolte, Quinta D’Avó, Hospital da Luz, Sonae Sierra, Recolte, Fujitsu, Hovione, El Corte Inglês, CUF, entre outras.