Celebra-se hoje o dia que eleva Portugal ao seu esplendor e magnitude, de grande pátria cheia de história, com um grande espírito democrático e sobretudo pacífico.

Neste dia, festejamos sob o grande poeta Luís Vaz de Camões, os grandes feitos que esta nação foi capaz de conquistar e que na viragem do século conseguiu transformar numa grande comunidade linguística, cultural e histórica que junta tantos povos numa só língua – o português.

É sobre este espírito democrático e de união que devemos continuar na luta por uma sociedade mais respeitosa, tolerante e sobretudo pacífica, que não tende por certos lados e ideias, mas que sobretudo não incita ao ódio que algumas pessoas acabam por colocar na ordem do dia.

Devemos focar-nos na evolução das sociedades, lutando contra a intolerância e a favor da prevalência da justiça, como meio de proteção de uma sociedade democrática e livre, que somos. Devemos protestar pacificamente através dos meios disponíveis através da nossa Constituição contra qualquer ato ou ideia que discordamos. 

Somente desta forma poderemos alcançar os feitos que nos são colocados. A prova disso foi a luta contra a pandemia que colocou muitos portugueses numa situação de risco e levou muitas profissões a unirem esforços contra um inimigo comum e invisível. Esse inimigo desconhecido até há uns meses e que ainda estamos a aprender a conviver com ele, fez sobressair este espírito de bravura e união que Camões tanto evocara na sua obra e que ao longo da nossa história fez de Portugal, uma grande peça nas mais importantes decisões para a história da Europa e do Mundo.

Não podemos esquecer que o futuro de Portugal está nas nossas mãos, nós jovens que hoje somos os aprendizes, mas que amanhã seremos os professores das novas gentes que virão. Somos os decisores de hoje que irão mudar o amanhã e somos hoje os escritores da atual história de Portugal.

Que o espírito de união, bravura, orgulho e modernização perdure neste país.

Vasco Nunes

Juventude Popular Distrital de Setúbal