A Praia da Figueirinha ostenta, pelo décimo ano consecutivo, a Bandeira Azul, distinção que atesta a qualidade de excelência desta zona balnear da orla marítima de Setúbal.

 

O anúncio foi feito a 27 de abril, em conferência de imprensa realizada no Oceanário de Lisboa, pela ABAE – Associação Bandeira Azul da Europa, entidade que atribuiu o galardão a 332 praias marítimas e fluviais portuguesas, mais 12 comparativamente com o ano passado.

 

Portugal ultrapassa, pelo terceiro ano, as três centenas de praias galardoadas, o que corresponde a mais de 55 por cento da totalidade das zonas balneares portuguesas, às quais acresce a atribuição da Bandeira Azul a 18 portos de recreio/marinas e a sete embarcações ecoturísticas.

 

No Norte contabilizam-se 73 praias com a Bandeira Azul, no Centro, 39, enquanto 48 receberam o galardão na região do Tejo. No Alentejo são distinguidas 32, entre elas a Praia da Figueirinha. O Algarve, com 89 praias a ostentar a bandeira, continua a ser a região do país mais galardoada.

 

Já nas ilhas regista-se a atribuição da Bandeira Azul a um total de 51 praias. No arquipélago dos Açores são galardoadas 37, enquanto na região da Madeira é distinguido um total de 14 zonas balneares.

 

A Bandeira Azul, implementada à escala europeia em 1987, por iniciativa da Fundação para a Educação Ambiental, com o apoio da Comissão Europeia, está também patente este ano em 18 portos de recreio e marinas portuguesas, incluindo a Marina de Troia, mais quatro do que em 2017.

 

Destaque ainda para a atribuição do galardão a sete embarcações ecoturísticas, incluindo o veleiro catamarã “O Esperança”, do operador turístico setubalense Vertigem Azul. Neste caso, comparativamente ao ano passado, há mais duas embarcações distinguidas.

 

Em 2018 o programa Bandeira Azul é dedicado ao tema “O Mar que Respiramos”, tendo em conta os dados científicos que revelam que 50 por cento do dióxido de carbono lançado na atmosfera é absorvido pelos oceanos e que 70 por cento do oxigénio do planeta é produzido pelo plâncton marinho.

 

Para trabalhar esta temática, é desenvolvido em todo o país um total de 864 atividades de educação ambiental – 784 em praias, 73 em marinas e sete em embarcações – ao longo da época balnear, a que acresce o concurso de fotografia “Os Suspeitos mais Insólitos”.

 

O programa da Bandeira Azul tem como principal objetivo elevar o grau de consciencialização dos cidadãos para a necessidade de proteção do ambiente marinho e costeiro e, em simultâneo, incentivar a realização de ações conducentes à resolução de problemas existentes.

 

O galardão Bandeira Azul é atribuído anualmente mediante a avaliação de mais de três dezenas de critérios, alguns dos quais de cumprimento obrigatório, repartidos por grupos, incluindo “Informação e Educação Ambiental”, “Qualidade da Água”, “Gestão Ambiental e Equipamentos” e “Segurança e Serviços”.

Partilhe esta notícia