Aproxima-se a estação das flores e com ela um período conturbado para quem sofre de rinite alérgica. Espirros, corrimento nasal, obstrução nasal, diminuição do paladar e do olfacto e, não poucas vezes, fadiga mental e alterações do humor, são sintomas bem conhecidos para quem sofre deste problema.

Segundo dados da OMS as alergias atingem cerca de 30% da população mundial, sendo a rinite alérgica a mais frequente das alergias respiratórias.

Na abordagem da Medicina Tradicional Chinesa, trata-se de uma falha do sistema de defesa, da responsabilidade da energia do pulmão e do rim o qual não responde de forma eficaz na presença de factores patogénicos como o vento (bem característico desta estação do ano), o frio ou o calor. A visão ocidental vai ao encontro desta abordagem, uma vez que considera que existe uma hipersensibilidade do sistema imunitário com uma libertação exagerada dos seus mediadores químicos (histaminas e prostaglandinas), os quais vão desencadear os sintomas acima referidos.

Então, o que fazer?

Há que reequilibrar o nosso sistema de defesa para respostas mais ajustadas. No período crítico, é necessário tratar a manifestação, atenuando os sintomas, expelindo os factores patogénicos. Depois desta fase, é fundamental atuar sobre a causa, reforçando a energia do pulmão e do rim, fortalecendo a nossa energia defensiva (Wei Qi) e prevenindo assim o desencadear de novas crises.

Vários estudos demonstram a eficácia da acupunctura no tratamento da rinite alérgica, com melhoria significativa dos parâmetros clínicos e laboratoriais, comparáveis ao tratamento clássico com corticóide, mas com a vantagem de não causar efeitos secundários. Contudo, qualquer situação implica uma avaliação personalizada e definição de um diagnóstico preciso, não sendo possível generalizar.

A rinite alérgica é sem dúvida um exemplo de como a Medicina Tradicional Chinesa pode ser um valioso aliado da Medicina Ocidental, para resultados mais efectivos e duradouros.

 

Ana Sequeira

Especialista em Medicina Tradicional Chinesa

 

Partilhe esta notícia