Caro leitor, 

Seria excelente que todos nos relacionássemos e comunicássemos de forma boa e humana, amistosa e sociável, ética e conscienciosa, digna e dignificante, com excelência moral e relacional. Afinal, o encontro e a troca com o outro são um dos pilares por excelência na construção das relações, da sociedade, da aprendizagem e do florescimento pessoal. Para ajudar a construir uma sociedade mais amistosa – e baseada no bem, no amor e na verdade! – aqui ficam os pressupostos da boa relação e da boa comunicação entre seres humanos:

Verdade e autenticidade, dizer a verdade e ser aquilo que realmente se é – ser verdadeiro, autêntico, genuíno, sincero, transparente

Honestidade, no exercício de bons princípios, ser honesto com o outro e, também, honesto consigo próprio – não mentir a si mesmo

Compaixão e empatia, ser humano e consciencioso, e procurar promover o crescimento e o bem-estar do outro nos bons e, em especial, nos maus momentos

Reciprocidade, estar em pé de igualdade com o outro numa troca recíproca e equilibrada na qual nenhum domina nem é dominado, ambos usam de expressão livre

Relevância, fazer o que realmente conta, e falar do que é realmente importante, focando os elementos decisivos, e sendo sintético e seletivo para expressar a essência real das ideias e cumprir o propósito do diálogo e da relação

Continuidade, apresentar ideias e argumentos, e responder às necessidades e iniciativas do outro, da forma mais coerente e encadeada possível

Clareza, ser claro, acessível e transparente, e não complicar o que é simples

Prudência, não atentar contra a verdade e ser cuidadoso com os sentimentos do outro, ponderando as ideias e medindo cuidadosamente as palavras e os argumentos

Tolerância, o outro é tomado e tratado como um parceiro e um amigo com igualdade, confiança, sensibilidade e respeito mútuo, num espírito partilhado de aceitação e boa vontade

Abertura, aceitar com graciosidade as diferenças interpessoais e de opinião e promover, com simpatia e disponibilidade, diálogo sobre essas diferenças com um espírito curioso e descontraído

Resolução imediata, em caso de mal-entendido ou frisson é importante admiti-lo imediatamente e clarificar ao máximo as posições, de um modo reconciliatório, e de forma a evitar interpretações dúbias e as consequentes desconfianças e ressentimentos.

Catarina Mendes – Psicóloga

Nota : A Catarina Mendes era a nossa mais recente colaboradora.
Enviou este texto alguns dias antes de falecer e aguardava a sua publicação para breve.
Hoje soubemos que tinha falecido o que nos deixou tristes  e surpreendidos.
A Catarina era uma jovem amiga, alma doce e gentil.
Decidimos publicar o seu texto que é uma excelente reflexão que devíamos ter em consideração.
Beijinho de saudade e Deus a guarde sempre!

Cláudio Anaia


Partilhe esta notícia