A iniciativa contou com a presença de representantes da comunidade académica do IPS e reuniu membros das entidades públicas e privadas envolvidas no projeto, que debateram propostas para a planificação e retoma de atividades no âmbito do “Arco Ribeirinho Sul”. O projeto visa a reconversão e requalificação do território que abrange os terrenos da Quimiparque (Barreiro), da Siderurgia Nacional (Seixal) e da Margueira (Almada).

 

Na sessão de abertura, o Prof. Doutor Pedro Dominguinhos, Presidente do IPS, referiu que o projeto necessita “que sejam criadas parcerias e redes fundamentais para a sua concretização, em especial entre empresários, instituições de ensino superior, autarquias e entidades públicas”. A partilha e transferência de conhecimentos é também essencial para uma maior competitividade, pelo que as Jornadas “surgiram num momento crucial para a definição de um conjunto de possíveis futuros para a região e sobretudo para o país”, indicou ainda o Dirigente.

 

Para além disso, de acordo com o Prof. Doutor Pedro Ferreira, Diretor da ESTBarreiro/IPS, a Escola pretende “ser um parceiro e colaborar com as entidades locais para o desenvolvimento de projetos associados ao Arco Ribeirinho Sul, através da prestação de serviços, de consultoria e da realização de projetos de investigação e inovação com foco na engenharia civil, área que lecionamos”.

 

Com a abordagem deste tema, as Jornadas procuraram também fortalecer o papel da ESTBarreiro/IPS como parceira da região e analisar “os diferentes impactos que o Arco Ribeirinho Sul pode causar localmente, mas sobretudo na área metropolitana de Lisboa”, mencionou a Prof.ª Isabel Costa, docente da Escola e membro da comissão organizadora da iniciativa.

 

Durante o período da manhã foi abordada a influência do projeto na área Metropolitana de Lisboa e na Península de Setúbal, bem como o seu impacto ao nível das infraestruturas, da Mobilidade e Transportes. Por outro lado, durante a tarde foi analisado o seu potencial económico, bem como a sua dimensão ambiental, urbanística e o próprio desenvolvimento do projeto em termos de engenharia.

 

Partilhe esta notícia