O debate contou com a presença de António Mendonça Mendes, Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais e de João Paulo Correia, Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS com a responsabilidade pela área das finanças.

Esta sessão, que decorreu na passada quinta-feira, foi moderada por Débora Rodrigues, membro do Secretariado da Concelhia de Almada do Partido Socialista e, tendo em conta a situação pandémica que atravessamos, decorreu em direto na rede social Facebook, tendo sido assistida por várias dezenas de militantes e não militantes do PS, que puderam colocar as suas questões aos oradores.

Numa nota introdutória, o Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendes, realçou que este Orçamento de Estado “tem como primeira prioridade a resposta à pandemia e, por outro lado, tem como objetivo a proteção do rendimento das famílias e do tecido produtivo do país para fazer a recuperação económica”.  Quanto ao eixo de combate à pandemia, o Secretário de Estado referiu ser “essencial que se possa dispor de todos os meios para tratar os doentes Covid e doentes com outras patologias”, tendo igualmente assumido o compromisso de que na dimensão das “consequências económicas da pandemia, preparamos uma resposta que não deixe ninguém para trás”.

Já o Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, João Paulo Correia, considerou que “todos os portugueses exigem dois critérios ao Orçamento, que estão cumprido: o primeiro é o combate à crise de saúde pública e consequente crise económica; o segundo é que não seja criada uma crise política”.

Para o Deputado à Assembleia da República, Ivan Gonçalves, “o OE2021 é um instrumento fundamental para a recuperação económica do país, enquanto atravessamos aquela que é talvez a maior crise dos últimos cem anos. Esteve, por isso, bem o Governo ao construí-lo numa ótica clara de reforço do investimento público”. O também Presidente do PS Almada destacou igualmente “a preocupação que a nossa estrutura tem tido em organizarmos iniciativas deste tipo, que fomentem o debate sobre temas fundamentais da atualidade política, ao mesmo tempo que nos permitem recolher contributos para sermos eficazes na nossa atuação”.