O candidato do PSD à Câmara Municipal do Barreiro, Bruno Vitorino, acusa a CDU de querer apagar a história e a memória de Alfredo da Silva no concelho, devido a “preconceitos ideológicos”.

O social-democrata explica que, enquanto vereador na autarquia, apresentou uma moção em sessão de câmara a assinalar os 75 anos do falecimento daquele que foi, na altura, o maior e mais importante empresário português. Esse documento,sofreu um conjunto de alterações exigidas pela maioria CDU, que foram aceites pelo PSD, tendo a discussão do mesmo sido reagendada para uma outra sessão de câmara, onde foi votado e aprovado.

Contudo, essa mesma moção foi apresentada em Assembleia Municipal, pelo líder da bancada do PSD, Victor Castro Nunes, tendo sido chumbada pelos deputados da CDU e do BE.

“Em sessão de Câmara pediram-nos alterações à moção, algo a que nós acedemos, tendo sido aprovada. Em Assembleia Municipal a mesma moção, sem tirar nem pôr, com as alterações que a CDU propôs em Câmara, acabou por ser rejeitada pela própria CDU”, sublinha Bruno Vitorino.

“É impressionante como a CDU se deixa enrodilhar pelos seus preconceitos ideológicos, demonstrando uma incoerência absurda, que em nada dignifica o concelho e a sua história”, acrescenta.

O candidato do PSD afirma que é esse preconceito ideológico “que muito tem contribuído para o afastamento de empresas e de investidores, que não se revêm nos entraves que são colocados a quem quer trazer postos de trabalho para o Barreiro. Este tipo de preconceito não cria confiança em quem quer investir no concelho”, critica.

“O nosso passado foi o que foi. Mas a verdade é que se não fosse Alfredo da Silva e os milhares de trabalhadores que laboraram naquelas unidades fabris, o Barreiro nunca teria sido aquilo que foi e aquilo que é hoje”, recorda o social-democrata.

O nome de Alfredo da Silva encontra-se ligado ao Barreiro, cidade que durante décadas cresceu e se desenvolveu por via da industria corticeira, ferroviária e posteriormente pela criação e desenvolvimento do complexo fabril da CUF.

Este complexo fabril foi inaugurado em 1907, tendo encetando desde então um programa de assistência e apoio aos seus trabalhadores, único no país até hoje, nomeadamente os bairros habitacionais de Santa Bárbara, Alferrarede, o chamado bairro dos engenheiros no Lavradio, a despensa da CUF, assistência médica e medicamentosa gratuita, infantários, escolas primárias, refeitórios, complexo desportivo, colónia de férias, entre outros.

“Esta realidade histórica que nos diferencia enquanto concelho, poderia e deveria ser potenciada, tornando-se num dos eixos prioritários para atrair visitantes nacionais e do estrangeiro. O nosso passado deve ser utilizado para projetar o futuro da nossa terra”, defende Bruno Vitorino.

Partilhe esta notícia