O presidente da Distrital de Setúbal do PSD, Bruno Vitorino, considera que o Governo deu uma “machadada” na economia e no desenvolvimento da região ao fundir os portos de Lisboa e de Setúbal.

Ao reagir à aprovação, em Conselho de Ministros, de um diploma que determina que os portos de Lisboa e de Setúbal e Sesimbra passam a ter uma administração e um plano estratégico comum, o social-democrata diz que “é um erro que vai relegar a região de Setúbal para segundo plano”.

“Esta fusão agora anunciada com Lisboa representa um duro golpe para a região, pois vai subalternizar Setúbal em relação à capital do país, impendido o seu crescimento e desenvolvimento futuro”, considera.

Bruno Vitorino refere que o Porto de Setúbal e Sesimbra alcançou, nos últimos três anos, um crescimento de 24% no total de mercadoria movimentada, garantido com estes valores as verbas necessárias para aprofundar a sua modernização e competitividade.

“O Governo afirmou no Parlamento que defendia a coordenação estratégica entre os portos de Lisboa e Setúbal, tal como também relatava o OE para 2016. Mas apenas uma semana depois, e quando ainda não terminou o debate na especialidade do OE, o Governo já está a fazer o contrário do que afirmou e a aprovar em conselho de ministros uma fusão dos dois portos. A coordenação estratégica entre duas entidades, não é o mesmo que uma fusão, mesmo que camuflada, dos dois Portos”, sublinha.

O dirigente do PSD acusa ainda o Governo de tomar esta decisão “nas costas das autarquias, dos agentes económicos, da região e do Parlamento.

“Com esta decisão o Governo PS vai, na prática, acabar com o Porto de Setúbal”, conclui.

 

04 de Março de 2016