O presidente da Distrital de Setúbal, Bruno Vitorino, está indignado com as recentes afirmações do presidente do PS Sesimbra e deputado municipal relativamente ao Centro de Saúde da freguesia de Santiago, lembrando que a construção da nova unidade de saúde na vila foi contratualizada entre o Governo PSD/CDS e o município no ano passado, tendo a mesma sido devidamente cabimentada.

 

“É lamentável que o responsável pelo PS Sesimbra venha dizer publicamente que o Centro de Saúde é da responsabilidade do atual Governo, o que não corresponde minimamente à verdade”, sublinha o social-democrata.

 

“O contrato-programa entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e o Município de Sesimbra para a construção da nova unidade de saúde na freguesia de Santiago, num total de cerca de um milhão de euros foi assinado no final de Setembro de 2015, e que foi cabimentada”, explica.

 

Bruno Vitorino diz ainda que todo o trabalho de negociação, preparação e decisão política foram realizados pelo Governo PSD/CDS, em diálogo e trabalho conjunto com a Câmara Municipal de Sesimbra.

 

“Só podemos entender que as declarações do presidente do PS Sesimbra, que é também o líder da bancada na Assembleia Municipal, foram feitas por desconhecimento dos factos, ou então, por má-fé. Se foi por desconhecimento dos factos, exigimos que venha retratar-se publicamente, se foi por má-fé, repudiamos a política da repetição da mentira que parece ser prática corrente do PS e deste Governo”, acrescenta.

 

O presidente do PSD Sesimbra, Lobo da Silva, lembra que esta é uma obra “há muito reivindicada pela população”, sendo a decisão do anterior Governo “bastante importante, pois vai permitir prestar os cuidados de saúde num espaço condigno e moderno, adaptado às necessidades atuais dos utentes”.

 

Bruno Vitorino diz ainda que o dirigente socialista também parece não saber, ou não quer ser fiel aos factos, que o processo relativamente à revisão do POPNA foi iniciado pelo anterior Governo, e que atualmente se encontra em curso, bem como o trabalho conjunto entre Governo PSD/CDS e a autarquia para a passagem do Santuário do Cabo Espichel para o município, processo que se encontrava bastante adiantado e que urge concretizar.

 

“Agora o que o presidente do PS Sesimbra deveria preocupar-se em explicar é o futuro do Porto de Pesca de Sesimbra, o qual esperemos que não fique relegado para segundo plano, devido à decisão do atual Governo socialista em fundir os portos de Lisboa e de Setúbal e Sesimbra, o que representa um duro golpe para a região e para o concelho”, acrescenta.

Partilhe esta notícia