O ministro da Defesa Nacional, Aguiar Branco, defende que a recuperação do Arsenal do Alfeite é um dos exemplos da política deste Governo, que mesmo em tempo de difíceis constrangimentos económicos conseguiu recuperar os estaleiros.

Perante uma plateia repleta, na apresentação do Programa Eleitoral da Coligação, que decorreu quarta-feira à noite em Almada, Aguiar Branco sublinhou a importância do Arsenal do Alfeite para a indústria naval portuguesa, recordando que estes estaleiros foram descapitalizados pelo PS, em 2009.

“Em 2009, estes estaleiros foram descapitalizados pelo Governo do PS, em 17 milhões de euros, que foram desviados para Viana do Castelo. Esta verba não resolveu o problema dos estaleiros de Viana do Castelo, mas acabou por prejudicar o Arsenal do Alfeite”, explicou.

O governante sublinhou que “hoje estamos a capitalizar o Alfeite, em que atualmente apresenta resultados positivos e está a ser capitalizado, com vista à sua modernização, para ser mais competitivo nos mercados internacionais”.

Aguiar Branco realçou ainda a criação em Almada de uma Plataforma Naval Global, aproveitando todas as potencialidades do Arsenal do Alfeite.

Também presente nesta iniciativa esteve o ministro da Economia, Pires de Lima, que destacou que a discussão atual se centra no ritmo a que a economia e o emprego vão crescer nos próximos quatro anos.

“Hoje é assim que acontece, mas se tivessem sido dado ouvidos à oposição, a começar pelo PS, Portugal estaria a passar por um segundo resgate. Seríamos um país em igual situação da Grécia”, considera.

Pires de Lima defende que Portugal “recuperou um capital de confiança, de credibilidade e de capacidade”, e que este é um caminho que precisa de ser continuado, “caso os portugueses assim o entendam”.

“Temos uma economia que todos os dias conquista consumidores, que prova a sua competitividade um pouco por todo o mundo. Pela primeira vez, em 70 anos, temos contas externas positivas. Isto só é possível porque temos um modelo que assenta no crescimento sustentável”, acrescenta.

Os cabeças-de-lista do PSD e do CDS-PP, Maria Luís Albuquerque e Nuno Magalhães, relembraram que as dificuldades que foram impostas aos portugueses, não foram trazidas por este Governo, mas sim pelo Governo PS.

Os candidatos destacaram as prioridades da Coligação para o distrito de Setúbal, como sendo o crescimento, o emprego, a saúde e a segurança, sublinhando alguns dos investimentos que foram feitos a este nível, tal como o apoio às IPSS, o aumento do número de médicos de família e a construção de novas unidades de saúde, a redução acentuada da criminalidade e a construção de novas infraestruturas para as forças de segurança, entre outros.

Partilhe esta notícia