No passado dia 25 de Outubro estive com o vereador do PSD/CDS na reunião com a corporação de Bombeiros de Montijo, onde tomei conhecimento do estado financeiro e operacional em que se encontrava a instituição. Pelas informações oficiais da direcção dos Bombeiros o passivo da instituição no exercício de 2018 é de 120 mil euros. Quanto à operação o Comandante confirmou que havia uma crise latente devido ao estrangulamento financeiro que impede a corporação de se munir com mais recursos humanos e suas habilitações e as ferramentas para o correcto exercício da função em causa.

Desde viaturas com mais de 15 anos, até as viaturas novas que tem de ser equipadas do bolso dos próprios bombeiros, são sintomas do mau momento financeiro que a associação atravessa. Mas existem sintomas graves (como tempos de espera anormais para o socorro, ausência do pessoal necessário para executar as escalas de socorro, bombeiros que não podem adquirir habilitações necessárias por falta de dinheiro da instituição, dificuldade para pagar ordenados) que podem por em causa o serviço de socorro das populações, vale ainda competência dos Bombeiros que tem disfarçado, mas que a continuar sem a devida atenção por quem é responsável máximo pela protecção civil no concelho, o Presidente da Câmara Nuno Canta, pode vir a confirmar-se uma doença fatal. 

A situação já tinha sido comunicada ao Sr. Presidente da Câmara dezenas de vezes, tanto oralmente de forma informal, como em reuniões oficiais com o Sr. Nuno Canta, e por escrito com um estudo claro e transparente em que a direcção demonstra ser necessário mais 10 mil euros por mês para além do que está a receber agora da Câmara Municipal para poder viver com o mínimo de dignidade. Apesar destes avisos o comportamento do Sr. Nuno Canta é de empurrar com a barriga a resolução destes problemas regateando o valor entregue aos Bombeiros, sabendo que havia esta necessidade negou o pedido, será esta a matéria em que o Sr. presidente deve negociar? 

A gestão do partido socialista tem um comportamento de feirante com todas as instituições do concelho, isso já sabíamos, mas neste caso negociar mais x ou menos x equivale a negociar mais aquela vida ou menos aqueloutra. Não se trata somente de gestão do dinheiro a distribuir pelas forças vivas, trata-se de valores e princípios morais e éticos. Se a Câmara tem como enche a boca o Sr. Nuno Canta, 10 milhões de euros a prazo, qual é a razão para a asfixia financeira dos Bombeiros? 

No dia 30 de Outubro o vereador João Afonso questionou o presidente da Câmara sobre este assunto, qual foi a resposta? «Vou averiguar», sabemos de antemão que os Bombeiros comunicaram o estado da instituição e o presidente ignora, porque vai dando o dinheiro, que não chega e umas ambulâncias (importa dizer que as anteriores já tinham quase vinte anos o mesmo tempo que o Sr. Nuno Canta tem de pelouro da protecção civil para entendermos a demagogia da personagem). 

Não será grave o responsável número 1 da protecção civil «não saber» destes factos, ou fingir não saber!? É que nenhuma questão da oposição (PSD/CDS e CDU) foi respondida na sessão de Câmara. Porque será? Pelo receio de se revelar a forma imoral como o PS lida com as forças vivas de Montijo? Ficámos com uma mão cheia de nada outra de coisa nenhuma dos esclarecimentos do Sr. Nuno Canta. O melhor seria ficarmos calados para não prejudicar os Bombeiros como a horda socialista grita na praça pública, bom, bom é mesmo regatear umas vidinhas. 

João Massacote 

Presidente da JSD Montijo

Partilhe esta notícia