No próximo dia 19 de junho, pela 10h30, vai ser oficialmente inaugurado o projeto ambiental ReDuna – Recuperação e Restauração Ecológica do Sistema Dunar de S. João da Caparica, um caso de sucesso que pode ser replicado noutras praias do concelho e do país.

Este evento terá início no apoio de praia Bar Praia (entrada pelo parque de estacionamento da praia do INATEL). Segue-se uma caminhada até ao apoio de praia Leblon e a apresentação dos resultados da monitorização deste projeto que está a contribuir decisivamente para o restabelecimento do equilíbrio geomorfológico do sistema duna-praia e para a resiliência deste troço costeiro de Almada.

Este é um projeto desenvolvido pela Câmara Municipal de Almada realizado ao abrigo de um protocolo de colaboração com a Agência Portuguesa do Ambiente, no âmbito do Programa Operacional Temático de Valorização do Território POVT 2007-2013, sendo cofinanciado pelo Fundo de Coesão a 100%, no valor de 229.792.32 €.

Recorde-se que, as dunas em S. João da Caparica foram assoladas por diferentes e sucessivas tempestades nos últimos Invernos e estão agora a ser recuperadas de modo inovador.

Depois da recarga artificial de areia nas praias de S. João, da responsabilidade da Agência Portuguesa do Ambiente, deu-se início ao ReDuna.

Este projeto, no terreno há alguns meses, está a contribuir para a recuperação do sistema duna-praia de S. João da Caparica, muito vulnerável à erosão do vento e do mar e à intensa procura durante os meses de verão.

Estas dunas são barreiras físicas naturais fundamentais para proteger o litoral da ação dos ventos e das ondas, e limitar o recuo da linha de costa. São também zonas de elevada importância ecológica, onde habitam mais de 50 espécies diferentes de plantas e animais.

Ao longo dos últimos meses, no âmbito do ReDuna, foram instaladas paliçadas de vime numa extensão de 1km, que têm a função de reter as areias transportadas pelo vento. Ao mesmo tempo, foram plantadas espécies dunares adaptadas a estes ecossistemas, que fixam as areias e promovem a biodiversidade local e, ainda, definidos e instalados novos acessos, com estruturas próprias para esse efeito, construídas me material reciclado, para limitar o pisoteio e a circulação nas dunas.

Todo o processo está a ser monitorizado regularmente, em parceria com Centros de Investigação e Universidades, e os resultados até à data estão a revelar-se muito positivos, com milhares de m3 de areia retidos pelo sistema dunar em formação.

 

Para saber mais:

www.m-almada.pt/ambiente

Partilhe esta notícia