A Câmara Municipal do Seixal encerrou as contas do exercício de 2015 com uma taxa de execução orçamental da receita de 102% e de 91% de despesa.

Mesmo num quadro de grande dificuldade no país, devido às políticas de austeridade do anterior governo, o Município do Seixal em 2015 teve um saldo de gerência de 5,5 milhões de euros e reduziu a divida em 10 milhões de euros.

 

Joaquim Santos, Presidente da Câmara Municipal do Seixal, referiu que “estes resultados foram obtidos num quadro de grande ataque à autonomia financeira do Poder Local Democrático, só tendo sido possível graças ao contributo e profissionalismo dos trabalhadores da Administração Pública Local, que têm assegurado a prestação de um serviço público de grande qualidade à população e a uma gestão criteriosa assente no esforço de redução de custos fixos, no aumento da gestão de serviços por administração direta, na renegociação de contratos e na celebração de acordos de pagamento, mantendo um nível de investimento em projetos e iniciativas de grande impacto na qualidade de vida da população.”

 

São estes os princípios que têm estado na base da evolução positiva dos principais indicadores económico-financeiros da autarquia do Seixal, dos quais se destacam a redução da dívida em cerca de 25 milhões de euros desde 2012, a par de saldos positivos de tesouraria obtido no final de cada ano.

 

Neste sentido a Câmara Municipal do Seixal irá continuar a propiciar à população mais e melhor serviço público. Assumindo uma clara aposta na educação, na higiene urbana e no desenvolvimento económico, mas também no tão necessário apoio social e desenvolvimento desportivo e cultural. E com um vasto conjunto de obras previstas, como a nova Escola Básica de Santa Marta do Pinhal, a requalificação dos espaços públicos do Núcleo Histórico do Seixal, o novo Estádio Municipal, o Núcleo de Náutica de Amora, a Praça Central da Torre da Marinha ou a sede da Casa do Educador do Concelho do Seixal.