Matérias relacionadas com o processo de decisão de um percurso profissional face ao contexto atual de globalização centraram atenções, esta manhã, num seminário inserido no Campeonato Nacional das Profissões, a decorrer em Setúbal até dia 14.

Traçar um percurso profissional nem sempre é fácil e “que escolha?” é, muitas vezes, uma pergunta inevitável. A questão intitulou precisamente o seminário realizado ao longo do dia de hoje no Fórum Municipal Luísa Todi, no âmbito da 44.ª edição do Campeonato Nacional das Profissões Skills Portugal.

Esta competição, organizada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal, junta mais de quatro centenas de jovens, em representação de 44 profissões, em competição que decorre em oito mil metros quadrados de oficinas.

“A escolha de uma profissão pode ser um processo de decisão doloroso, nunca isento de consequências. Essa complexidade aumenta se atendermos ao atual contexto de globalização e rápida inovação tecnológica”, observou o presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional, António Valadas da Silva, na abertura do seminário.

A presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, igualmente presente na abertura do encontro “Que Escolha?”, defendeu que urge colocar a valorização da formação e do trabalho no centro das preocupações.

“O país tem de redobrar a aposta no fortalecimento do setor produtivo nacional, de forma a que se possa reduzir a dependência externa e uma das medidas políticas para alcançar esse objetivo é a contínua aposta na valorização da formação profissional, a par da valorização do papel dos trabalhadores”, referiu a autarca.

Depois da sessão de abertura do encontro, Maria das Dores Meira visitou as instalações do Centro de Emprego e Formação Profissional de Setúbal, na companhia da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e do secretário de Estado Adjunto do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita.

Também o ministro da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social de Angola, Jesus Maiato, marcou presença nesta visita, que contou com a companhia da mascote do campeonato de profissões, o Golphy.

O Serviço de Formação Profissional do Centro de Emprego e Formação Profissional de Setúbal é o palco do evento, a decorrer até dia 14, que visa promover o talento e as competências dos jovens, chamar a atenção para a importância da formação profissional e divulgar a qualidade da formação em Portugal.

O Campeonato Nacional das Profissões Skills Portugal, com a participação de jovens entre os 17 e os 25 anos, escolhe os melhores para representar Portugal na competição europeia, este ano a decorrer em setembro em Graz, na Áustria, a que se segue, em 2021, a competição mundial, em Xangai, na China.

Ainda sobre o seminário “Que Escolha?”, Paulo Cardoso, professor auxiliar de psicologia na Universidade de Évora e investigador na área do aconselhamento de carreira, abordou questões relacionadas com a escolha de um percurso profissional de qualificação face às mudanças da sociedade e do mundo do trabalho.

O docente, que, durante vários anos, deu apoio psicológico a alunos de escolas do distrito de Setúbal, analisou que os jovens têm mais tendência para procurar empregos tradicionais ou têm preferências vocacionais irrealistas, desajustadas do perfil de capacidades ou profissões com tendência a desaparecer.

“Nos próximos cinco anos, a inovação tecnológica extinguirá sete milhões de postos de trabalho”, alertou Paulo Cardoso. “É essencial apoiar a escolha de um percurso de qualificação através do desenvolvimento de competências, através de programas de desenvolvimento vocacional e aconselhamento de carreira.”

Partilhe esta notícia