Uma nova ferramenta digital que faz o inventário e a georreferenciação de árvores e espaços verdes em domínio público no concelho de Setúbal, de apoio à gestão e ao planeamento, foi apresentada esta manhã nos Paços do Concelho. 

A ferramenta, de auxílio à tomada de decisão estratégica, técnica e operacional em matéria de espaços verdes, criada pela empresa InfoPortugal para a Câmara Municipal de Setúbal, permite um conhecimento mais profundo e pormenorizado do território nesta esfera de intervenção.

“Esta tecnologia é indispensável para conhecer melhor o nosso património verde”, destacou a presidente da autarquia, Maria das Dores Meira, esta manhã, na apresentação pública do Inventário e Georreferenciação dos Espaços Verdes e Árvores Municipais do Concelho de Setúbal, realizada no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

O instrumento, salientou, permite “conhecer melhor as possibilidades e o grau de importância para implantar novos espaços verdes e árvores”, assim como alargar e partilhar o“conhecimento sobre a riqueza botânica do património arbóreo e as prioridades de conservação”.

A autarca acrescentou que Setúbal, “um concelho com uma rede de parques e jardins de proximidade que possibilitam o recreio ativo e corrigem os efeitos do desconforto urbano”, é um “dos poucos municípios que dispõem de uma ferramenta inovadora deste tipo”.

Entre a panóplia de informações disponibilizada, é possível consultar quantas árvores e espaços verdes existem no território, incluindo por cada uma das cinco freguesias, qual a diversidade de espécies arbóreas ou quais as mais abundantes e de que forma se distribuem no concelho. 

No que respeita a árvores, a inventariação registou um total de 26.528 exemplares. “Um número que já não está atual”, adiantou a vereadora do Ambiente na Câmara Municipal de Setúbal, Carla Guerreiro, até porque “esta manhã foram plantadas 12 novas árvores no Parque do Bonfim”.

A vereadora, ao apontar a pertinência desta ferramenta de gestão para ajudar a “tomar as melhores opções”, avançou com um dos possíveis benefícios. “Pode ajudar na identificação e proteção de árvores passíveis de serem classificadas de Interesse Público” que, em Setúbal, são já 16 com este estatuto.

A presidente da autarquia acrescentou que este estudo dá igualmente indicação das “zonas nas quais existe oportunidade para novas plantações, qual a área total de espaços verdes urbanos do concelho, qual o seu raio geográfico de influência e como é distribuída essa área verde pelas diferentes tipologias de espaços verdes”.

Com este instrumento foi possível apurar, entre outros, que do total de árvores cadastradas no concelho, 1086 estão na freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra, 876 no Sado, 11.146 em São Sebastião, 5132 em Azeitão e 7378 no território da União das Freguesias de Setúbal.

Da globalidade de exemplares, 98 por cento estão vivos. Dois por cento das árvores encontram-se isoladas, 55 por cento estão alinhadas e 43 por cento estão agrupadas.

Entre as mais de duas centenas de espécies de árvores identificadas, as mais frequentes são o lódão-bastardo, com 1779 exemplares, o jacarandá-mimoso, com 1526, e a tipuana-tipu, com 1251 espécimes.

No que respeita a espaços verdes, nesta ferramenta identificados como canteiros, existe no concelho um total de 2094 zonas, que correspondem a uma área total de 745.529,71 metros quadrados.

Esta ferramenta, frisou a presidente Maria das Dores Meira, coloca novos desafios. “Temos agora o dever reforçado de manter atualizado o cadastro dos espaços verdes e das árvores e de continuar a apostar na criação de novos jardins e espaços arborizados.”

O Inventário e Georreferenciação dos Espaços Verdes e Árvores Municipais do Concelho de Setúbal é disponibilizado em breve, para consulta, no GeoPortal de Setúbal, acessível através da página da Câmara Municipal em www.mun-setubal.pt.

16946/2019 Fim

Partilhe esta notícia