A Siemens Portugal vai aumentar em 60% a capacidade da sua fábrica de Corroios, nomeadamente dos quadros elétricos de baixa tensão, Sivacon S8. Das 2000 unidades, de diferentes gamas, agora fabricadas, a empresa vai passar a produzir no total 3200 quadros por ano. Esta capacitação vai acontecer ao longo do ano e, para tal, vão ser criados 102 novos postos de trabalho. Já teve início o processo de recrutamento de 56 colaboradores e, durante os próximos meses, a Siemens vai recrutar mais 46 pessoas, duplicando assim a dimensão da equipa.

O anúncio do reforço da capacidade da Fábrica de Quadros Elétricos da Siemens Portugal  foi feito na presença do Primeiro-Ministro, António Costa, do Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, do Presidente da Câmara do Seixal, Joaquim Santos, e do Presidente Executivo da Siemens Portugal, Pedro Pires de Miranda.

Esta expansão deve-se ao aumento da procura deste tipo de quadros de baixa tensão, devido à qualidade destes equipamentos ‘Made in Europe’. Este ‘selo’ é uma referência para as grandes empresas que não querem arriscar ter paragens no fornecimento de energia às suas instalações, por falhas técnicas.

“Este reforço da Fábrica de Quadros Elétricos de Corroios vai ter um impacto local positivo, com a criação de 102 novos postos de trabalho, mas vai também contribuir para as exportações da empresa e do país, uma vez que esta unidade produz quase exclusivamente para o mercado internacional”, disse Fernando Silva, director da divisão Energy Management da Siemens Portugal, acrescentando que “os quadros aqui produzidos são utilizados por sectores de actividade críticos, como data centers e hospitais, mas também por indústrias de consumo intensivo de energia, de que são exemplo  a petroquímica, o petróleo e gás e a pasta e papel, entre outras”.

A fábrica de Corroios, que conta actualmente com 154 colaboradores, exporta 85% dos quadros que produz. Nos últimos cinco anos, a produção teve como destino 56 países nos cinco continentes.

Este aumento da produção vai ser feito nas linhas que a fábrica tem atualmente, com as linhas de montagem, electrificação, ensaios e armazém a trabalhar em dois turnos, e as áreas de máquinas (pré-fabricação de chapa e cobre) a operar em três turnos. A empresa vai ainda investir nesta unidade para fazer face ao aumento de produção, através, por exemplo, da digitalização dos sistemas logísticos operacionais, nomeadamente das atividades de picking[1] e gestão de armazém, e da instalação de um sistema semiautomático para ensaios elétricos.

Recorde-se que esta unidade fabril já havia sido selecionada em 2017 pela Siemens AG para receber uma nova linha de produção do modelo SIMOSEC, quadro elétrico modular de média tensão.

Partilhe esta notícia