Um exercício testou esta manhã em todas as escolas públicas do concelho de Setúbal os procedimentos de segurança em caso da ocorrência de uma catástrofe natural, no âmbito do Dia Internacional da Proteção Civil, celebrado a 1 de março.

 

O alarme tocou às 10h00 em todos os estabelecimentos de ensino público do concelho. Está a ocorrer uma catástrofe natural e é necessário proceder a uma ação de evacuação geral e autónoma de alunos, docentes e pessoal não docente.

 

“É um exercício importante, no seguimento de outros que temos vindo a realizar regularmente nas escolas do concelho, desde 2007, para testar os procedimentos de autoproteção”, sublinha Jorge Parrulas, técnico de Proteção Civil da Câmara Municipal de Setúbal, a acompanhar o simulacro na EB n.º 2 de Santa Maria.

 

Neste estabelecimento de ensino, com 173 alunos, a ocorrência de um sismo é o cenário escolhido para a realização do exercício e ao sinal de perigo são acionados os mecanismos de segurança.

 

Todos se protegem debaixo das mesas e contam até sessenta em voz alta, que “é o tempo de duração, por norma, de um sismo”.

 

Os alunos são depois encaminhados para as portas de emergência das salas de aula e dirigem-se, ordeiramente e por caminhos previamente estabelecidos, para o campo de jogos da escola, definido no plano de segurança escolar como ponto de encontro em caso de emergência.

 

“Houve um terramoto?”, pergunta um dos mais pequenos, enquanto cumpre à risca o procedimento de evacuação. “Não te preocupes. Estamos só a treinar para quando houver. É importante”, responde um colega. E, rapidamente, mas sem correrias, lá se dirigem para o ponto de encontro.

 

A chamada é feita e todos estão bem, “não há feridos a registar”, sorri a diretora da escola, Maria Ana, satisfeita por os alunos já terem bem interiorizados os procedimentos de segurança que lhes são fornecidos nas salas. “Eles já sabem o que fazer e correu tudo bem.”

 

Reunidas as condições normais de segurança, é tempo de voltar para as salas e continuar as aulas neste primeiro dia de regresso após a pausa letiva do Carnaval.

 

No final, o balanço é “muito positivo”, considera Jorge Parrulas, pois “cumpriram-se os objetivos e todas as turmas adotaram os procedimentos corretos”.

 

O exercício, que assinala o Dia Internacional da Proteção Civil, foi desenvolvido pela Câmara Municipal de Setúbal, através do Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros, em conjunto com os agrupamentos verticais de escolas.

 

Está prevista a realização de um simulacro semelhante nas escolas públicas do concelho para assinalar o Dia Internacional para a Redução de Catástrofes, a 13 de outubro.

Partilhe esta notícia