A judoca portuguesa, natural de Almada, número um do mundo, conseguiu derrotar a húngara Hedvig Karakas na final da categoria -57 kg, averbando a medalha de ouro para Portugal, a terceira para Portugal nos Jogos Europeus de Baku, no Azerbaijão.

Telma Monteiro venceu a número 11 do mundo por “ippon”, conseguindo vencer Karakas pela quinta vez, em cinco combates disputados.

Assim, Telma Monteiro sagra-se campeã europeia na categoria de -57 kg de judo, averbando o seu quinto título europeu, depois de conquistas em 2006 e 2007 (-52kg) e 2009 e 2012 (-57kg). A judoca lusa conta ainda com uma medalha de prata e cinco de bronze, somando 11 medalhas em 11 participações.

Recorde-se que, nas meias-finais, perante a francesa Automne Pavia, com quem tinha um histórico de três derrotas e apenas uma vitória nos combates anteriores entre as duas, apareceu a melhor Telma Monteiro. A sétima do ranking mundial não resistiu ao poderio de Telma que lhe aplicou um yuko a 2.44 minutos do fim e um waza-ari a 1.29 do final, que a francesa nunca conseguiu contrariar.

No final, uma Telma emocionada revelou as suas emoções, depois das lágrimas que lhe correram o rosto na hora de ouvir o hino e de ver subir a bandeira portuguesa. “É uma medalha muito especial, primeiro porque são os primeiros Jogos Europeus, e depois porque ser pentacampeã europeia não podia ter acontecido em melhor momento pois aqui juntavam-se duas competições. É por isso um orgulho conseguir esta conquista para Portugal e uma benção ser a pessoa que o conseguiu. Por isso não posso esquecer todas as pessoas que trabalham comigo e os que aqui estiveram a apoiar-me”, recordou.

Vinda de uma longa paragem, Telma tinha consciência das dificuldades. “Ganhar aqui era um objetivo difícil de alcançar hoje, pois sabia que não estou na minha melhor forma. Não estava a 100% mas dei os 100% que tinha e quando uma pessoa acredita e trabalha, as coisas acontecem”, enalteceu.

Sobre o percurso até à vitória, Telma destacou o primeiro combate e a meia-final. “Foram esses os dois momentos mais difíceis do dia, os combates mais fortes de toda a minha competição. Mas cheguei à final respeitando a minha adversária, sabendo que a costumo vencer noutras ocasiões, sendo certo que se tinha chegado até ali, era porque tinha feito uma boa prova. Porém, nunca dou nada como garantido, vou sempre à luta para conquistar uma nova vitória e isso tem corrido bem”, rematou a judoca almadense.

Esta é a terceira medalha de ouro para Portugal, depois das conquistas no ténis de mesa e no taekwondo. No total, a comitiva portuguesa conquistou a nona medalha, ficando assim com três medalhas de ouro, quatro de prata e duas de bronze.