Esta foi uma jornada onde nada mudou na frente. Os quatro primeiros ganharam e mantém abertas as suas aspirações. O Braga a espreitar o terceiro lugar, o Sporting a manter as suas aspirações intactas mesmo em relação ao título mas a ter como objetivo mais imediato apanhar o Porto no segundo lugar (lembro que ainda estão 36 pontos em disputa) e o Porto, por sua vez, a espreitar o primeiro lugar ocupado pelo Benfica, que não quer perder pontos e chegar ao tão desejado título.

O ponto forte da jornada foi o dérbi da cidade invicta entre Boavista e F.C. Porto. Apesar de ser um jogo que move emoções na cidade do Porto, em campo o jogo foi um pouco aborrecido e com poucas ocasiões de golo. Jackson teve uma excelente oportunidade na primeira parte mas atirou ao lado e o Boavista foi fazendo o que pôde para, pelo menos, conseguir um ponto. Já com Tello e Brahimi em campo para tentar o tudo por tudo o golo acabou por chegar ao minuto 80 e as hostes portistas puderam respirar de alívio, alívio esse confirmado por Brahimi já perto do final do jogo. Apesar de tudo, foi o Porto a equipa que mais procurou chegar à vitória e a equipa que mais teve a bola durante toda a partida. Logo, a vitória é inteiramente justa.

O Sporting regressou às vitórias no campeonato após dois empates consecutivos. Apesar dos golos terem aparecido só na segunda parte só por muito azar a vitória escaparia ao conjunto de Marco Silva dado o número de oportunidades criadas. Um dos heróis do jogo foi sem dúvida o guarda-redes do Gil Vicente que evitou com que a equipa de José Mota saísse goleada de Alvalade. Adriano só não parou Tanaka e um verdadeiro míssil disparado por Nani num sério candidato a melhor golo do campeonato. Foi um remate de raiva perante as críticas que lhe têm sido feitas nos últimos tempos. O que muita gente se esquece é que Nani está no Sporting pelo seu amor ao clube.

O Benfica teve que suar para, tal como aconteceu na primeira volta, dar a volta ao marcador a um Moreirense que fez de tudo para jogar de igual para igual com o Benfica. A primeira grande oportunidade pertenceu a Jonas que atirou ao poste mas numa perda de bola de Salvio o Moreirense foi eficaz e chegou ao intervalo a vencer, tal como tinha acontecido na Luz. E tal como aconteceu na primeira volta, foram jogadores da defesa do Benfica que deram a volta ao marcador com destaque para o repetente Eliseu que voltou a marcar à lei da bomba, embora neste golo Marafona tenha sido mal batido. Jonas confirmou o 1-3 final e o Benfica ganhou mais três importantes pontos.

Um dos fatores decisivos do jogo do Benfica e tema do fim-de-semana foi sem dúvida a expulsão do jogador André Simões por palavras dirigidas ao árbitro. Se for confirmada a versão que tem vindo a público e o jogador chamou aquele nome ao árbitro é de facto bastante grave. Falando só em particular dos jogadores, eles têm que aprender que estão lá para jogar futebol e respeitar todos os intervenientes do jogo, desde o adversário até aos adeptos. O desagrado irá existir sempre mas há limites de expressão do mesmo. Nós no nosso quotidiano não tratamos os nossos superiores hierárquicos e não admitimos sermos tratados por eles com insultos e palavras menos próprias. Se o fizermos corremos sérios riscos de sermos prejudicados na nossa profissão. Até para a semana onde o clássico F.C. Porto-Sporting vai ser o prato principal da jornada.

 

 

Ricardo Santos

Marketeer

Partilhe esta notícia