“Uma Exposição magnífica” foi como o Secretário-Geral do PCP, Jerónimo de Sousa, classificou a “O Regresso das Bandeiras”, na sua visita realizada ontem, 1 de março, ao Espaço Memória. A mostra, inaugurada no passado domingo, insere-se nas “Comemorações dos 80 Anos da Jornada de Agitação e Luta de 28 de Fevereiro de 1935, no Barreiro”. Este trabalho resulta de uma parceria entre o Município do Barreiro e o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, assinalando um momento icónico da história do Barreiro do século XX, da resistência ao “Estado Novo” e da luta pela liberdade e pela paz.

Jerónimo de Sousa teve, igualmente, a oportunidade de conhecer a Exposição permanente “Barreiro Memória e Futuro”.

 

Na opinião de Jerónimo de Sousa “O Regresso das Bandeiras” tem “um grande significado pelo que representa e representou a agitação de propaganda e luta, em 1935”. Para o Secretário-Geral do PCP, este acontecimento foi “mais que um ato simbólico, foi um ato de grande coragem, de luta pela Liberdade num tempo de plena ascensão do Fascismo na Europa e, em Portugal, quando estava no início. Este ato demostra, por isso, que a luta pela liberdade em condições difíceis é sempre possível”.

Citou uma expressão utilizada no PCP. “A luta nem sempre se ganha, mas quando não se luta perde-se sempre. Os Homens e mulheres que lutaram em 1935 tinham a consciência que se arriscavam a perder a sua Liberdade, mas também sabiam que esta ação constituía mais um passo para que um dia a Liberdade existisse em Portugal, mesmo com o sacrifício das suas vidas”. Décadas se passaram e no dia 25 de Abril de 1974 a Liberdade foi alcançada. A agitação de 1935 foi, segundo o Secretário-Geral, “um dos patamares que nos levou a alcançar esta Revolução democrática, transformadora que existiu no nosso País e que, apesar de maltratada, o valor da Liberdade continua a estar no coração e na consciência de muitos portugueses”.

Ressalvou o facto do Barreiro ter sido, ao longo do tempo, uma Terra de resistência. “Para expor a sua História seriam precisas dez salas”, referiu.

 

A luta pela memória “é imprescindível para a História” é a convicção de Carlos Humberto de Carvalho. “Não devemos esquecer aqueles heróis que lutaram e construíram a Liberdade, o desenvolvimento, a Democracia e o futuro”.

 

Para o Presidente do Município estes acontecimentos são recordados, “sempre numa perspetiva de olharmos para o passado, não de forma nostálgica, mas pelo contrário, devemos olhar para o passado, para construirmos o futuro”.

Agradeceu a presença de Jerónimo que ‘muito nos honra’ e estendeu os agradecimentos a todos os que ajudaram a construir as duas exposições, às empresas “Ween One” e “P-O6”, ao Jornal “Avante” e ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo pelos contributos que deram – fornecendo elementos – para a concretização da exposição, à Vereadora Regina Janeiro e a todos os trabalhadores do Município, pelo trabalho empenhado.

 

Atividades para os próximos meses

A exposição está patente ao público nos próximos seis meses e, ao longo desse tempo, está previsto um conjunto de atividades, tais como conversas, debates, intervenções artísticas, visitas guiadas, ou publicações.

 

Consulte mais informação sobre a exposição “O Regresso das Bandeiras”, no site do Município:http://www.cm-barreiro.pt/frontoffice/pages/792?news_id=5518

 

O Espaço Memória

Horário para visitas gratuitas: De 3ª feira a sábado – 10h00-13h00 | 14h00 -18h00

Rua 17, nº 10 – Parque Empresarial do Barreiro

2831-904 Barreiro

e-mail: espacomemoria@cm-barreiro.pt

Partilhe esta notícia