A 19a Mostra de Teatro de Almada começa a 12 e decorre até 29 de novembro com uma programação que inclui 10 estreias, num total de 19 espetáculos, entre textos inéditos e autores diversos, para além de exposições, formação, debate e tertúlias, em 12 salas de Almada, do Teatro Municipal Joaquim Benite ao Auditório Costa da Caparica, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Almada e dos Grupos de Teatro locais amadores e profissionais.

A abertura da 19a edição realiza-se no Teatro-Estúdio António Assunção a 12 de novembro, quinta-feira, às 21h30, com a apresentação da mais recente criação de O Grito a partir do conto homónimo de Herberto Helder, uma dramaturgia e encenação de Anabela Neves, seguido da inauguração da exposição documental “O Grito: 20 anos de Teatro”, patente ao público ao longo da Mostra.

A Mostra prossegue com “Einstein” pelo Teatro Extremo (sexta-feira, 13 de novembro, Teatro-Estúdio António Assunção) dez anos após a sua estreia, uma peça que traz ao palco o cientista com humor e simplicidade, da autoria do canadiano Gabriel Emanuel, encenação do ator brasileiro Sylvio Zilber e interpretação de Fernando Jorge Lopes.

Sábado, 14 de novembro, às 21h, o Cénico da Incrível Almadense apresenta no Salão de Festas “Pathelin, O Patife”, uma comédia de costumes inspirada na peça francesa do séc. XV de autor desconhecido, com encenação de Eugénia Conceição. Segue-se às 22h30, no Teatro-Estúdio António Assunção, o espetáculo “A Festa” pelos Actos Urbanos, uma nova produção do Teatro de Areia/O Mundo do Espectáculo, criação coletiva sobre a Europa atual, dirigida e encenada pela atriz Joana Sabala, com conceção dramatúrgica da escritora Sarah Adamopoulos e máscaras da artista plástica Catarina Pé-Curto.

Domingo, 15 de novembro, às 11h, estreia no Cineteatro da Academia Almadense o musical para toda a família “Annie” do compositor Charles Strouse, uma encenação de Diogo Novo para o Grupo de Teatro Musical daquela associação centenária. Às 21h30, o GITT apresenta nos Recreios Desportivos da Trafaria “Suave como Fio de Azeite”, uma comédia sobre o sentido da vida de Carlos Alfredo Amaral, articulada com o conto de Eça de Queirós “O Suave Milagre”.

Para além dos espetáculos, a organização promove espaços de encontro e partilha entre artistas e público com entrada gratuita. Sábado, 14 de Novembro, a partir das 23h30, Karas propõe um serão no café-teatro do Teatro-Estúdio António Assunção, ao som de discos de Goma-Laca para escutar músicas que apaixonaram vidas anteriores às nossas. Domingo, 15 de Novembro, às 17h, realiza-se a tertúlia “Das mandíbulas do quotidiano” por Christopher Auretta, ciclo dedicado a diferentes perspetivas sobre o teatro na sua relação com a pedagogia, a ciência e o arquivo, em colaboração com o Dep. Ciências Sociais Aplicadas da FCT/UNL. Encontram-se abertas as inscrições para o workshop de “Construção do Personagem” de Yolanda Alves do Teatro de Papel e para a formação “É de pequenino que se torce o racismo?” com o Prof. Dr. Ricardo Borges Rodrigues do ISCTE.

Até ao final do mês, atuam ainda na Mostra: Produções Acidentais, Crème de la Crème, Marina Nabais – Dança Associação Cultural, Grupos de Teatro da Academia Almadense e da Associação Cultural Manuel da Fonseca, Ninho de Víboras, Teatro & Teatro do Mundo do Espectáculo, Teatro ABC.PI, Alpha Teatro, Cénico da Incrível Almadense, Artes e Engenhos, Novo Núcleo de Teatro e Teatro na Gandaia.

PROGRAMA : Programa

Mais informações em www.mostradeteatrodealmada.blogspot.com

Partilhe esta notícia