O vereador da Câmara Municipal do Barreiro, Bruno Vitorino, está a preparar um conjunto de iniciativas para assinalar o fim da 1ª Guerra Mundial e homenagear todos os barreirenses que nela combateram, na sequência de uma proposta da sua autoria aprovada por unanimidade em sessão de Câmara.

 

“No dia 11 de novembro de 2018 celebram-se os 100 anos do fim do primeiro grande conflito armado à escala mundial, no qual combateram dezenas de barreirenses que merecem a nossa homenagem. Neste sentido, vamos promover um conjunto de iniciativas de natureza histórica e cultural, que culminarão com a inauguração de um memorial, onde pretendemos inscrever os nomes daqueles que aqui nasceram ou viveram e se viram envolvidos na 1ª Grande Guerra”, destaca o vereador.

 

O grupo de trabalho criado para o efeito é constituído por personalidades ligadas à Associação de Fuzileiros, à Liga dos Combatentes, à literatura relacionada com o conflito e à história do Barreiro, nomeadamente: Comandante Rocha e Abreu, Luís Alcântara, Jaime Palma, João Saraiva e Pedro Pereira.

 

No decurso dos trabalhos, foram já delineadas algumas das iniciativas que decorrerão entre o final do mês de outubro e o dia das celebrações do centenário, estando previstas visitas ao Museu do Combatente, no Forte do Bom Sucesso em Belém, um colóquio sobre a 1ª Grande Guerra e a cerimónia de inauguração do memorial.

 

Uma vez que se pretende homenagear todos os combatentes do concelho, Bruno Vitorino lança o apelo “para que nos ajudem no levantamento dos nomes dos barreirenses que representaram Portugal e o Barreiro no conflito, bem como na doação ou empréstimo de espólio para que o possamos expor e mostrar como foi a vida dos nossos militares durante aqueles anos”.

 

O grupo de trabalho tem já em sua posse quase 70 nomes de combatentes, mas o levantamento daqueles que não nasceram no Barreiro, mas aqui viveram, só será possível com a ajuda da população, diz o vereador.

 

Partilhe esta notícia