Ao longo deste mês de maio, decorre a iniciativa “À Conversa com os trabalhadores: “A defesa do serviço público” inserida na programação de “Maio – Mês de Quem Trabalha” promovida pelo Município do Barreiro. O Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto de Carvalho e a Vereadora Sónia Lobo, responsável pela área dos Recursos Humanos presidiram a estas sessões que se irão prolongar no mês de junho. A atual situação do serviço público, a conjuntura económica do Município e a manutenção das 35 horas foram os assuntos abordados.

Na ocasião, Carlos Humberto de Carvalho recordou os últimos anos de gestão autárquica, nos quais foram tomadas medidas, impostas pelo Poder Central, como por exemplo a diminuição de mais de 100 trabalhadores e a redução de dirigentes na Autarquia, a diminuição de verbas do orçamento de Estado e a redução do número de freguesias. Medidas que na sua opinião “afetaram em muito o funcionamento da Câmara”.

Porém, apesar de todos os cortes referidos, o Município do Barreiro tem vindo, segundo o Presidente, “a diminuir a despesa e a reduzir a dívida à banca em cerca de 12 milhões de euros”. Estas medidas já permitem a Autarquia, a partir de agora, “libertar verba para a realização de obra e atividade”, explicou Carlos Humberto de Carvalho.

Em relação ao pagamento a fornecedores informou que o Município “atualmente, está a pagar com um ligeiro atraso de 76 dias, quando já foi de 300 dias” e pretende que até ao final deste ano a CMB possa pagar no imediato.

Lamentou a privatização dos serviços de resíduos urbanos e, consequentemente a privatização da empresa pública EGF – Empresa Geral de Fomento.

Em relação às 35 horas de trabalho semanal, o Município do Barreiro decidiu manter esta carga horária, apesar da decisão do Governo de implementar as 40 horas. Recorde-se que após ter sido efetuado um estudo à Legislação, o Município do Barreiro e muitas outras câmaras municipais do País, através da Associação Nacional de Municípios, decidiram manter as 35 horas de serviço semanal. No caso do Barreiro, recorde-se, a CMB e os sindicatos STAL – Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (SINTAP) celebraram, em dezembro de 2013, os Acordos Coletivos de Entidade Empregadora Pública.

A concluir, Carlos Humberto de Carvalho informou, ainda, sobre intenção do Governo de aplicar um banco de horas aos trabalhadores, ou as autarquias terem de, por exemplo, recusar aumentar o número de trabalhadores. Uma situação que, na sua opinião não está correta, pois “o que deve determinar o aumento do número de trabalhadores é a necessidade que temos de os recrutar”.

Até ao final de maio, na loja 1.06, no piso 1 do Forum Barreiro está patente ao público a exposição “A Arte de Quem Trabalha” reunindo obras e criações dos 21 ‘artistas’ que, simultaneamente, são trabalhadores da Câmara Municipal. Esta é uma forma de mostrar a criatividade dos trabalhadores do Município que, regra geral, estão no anonimato e que contribuem, diariamente, para a criação e construção de um mundo mais alegre, participativo e colorido.

De referir que o programa contempla rastreios de saúde, à Asma, ao Melanoma, à Hipertensão, à Saúde Oral, às doenças dos olhos e à saúde feminina, bem como campanhas de sensibilização para os problemas de obesidade. São, ainda, abordados temas que permitam dotar os trabalhadores de técnicas para ultrapassar os problemas diários de quem trabalha: técnicas anti-stress, exercícios de correção postural, aconselhamento psicológico sobre temas que afetam as famílias e em especial as famílias com crianças e jovens.

CMB

Partilhe esta notícia