A maioria CDU, na Assembleia Municipal, chumbou sexta-feira a proposta dos sociais-democratas, Victor Nunes e Hugo Cruz, de redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em 2015.

Os deputados municipais do PSD pretendiam que a taxa do IMI para os prédios urbanos passasse para os 0,35%, de forma a, em conjunto com a aplicação de outras medidas-chave, “criar um pacote atrativo para novas famílias e empresas que possam instalar-se e ter a residência fiscal no concelho”, criando, consequentemente, “postos de trabalho e riqueza”. Bem como, “eliminar a aplicação indiscriminada, à generalidade dos prédios urbanos degradados, da majoração em 30% da Taxa do IMI, contemplada no n.º 8 do artigo 112.º do CIMI”, uma vez que a aplicação encontra-se, de acordo com a bancada do PSD, “claramente desligada de uma estratégia de regeneração urbana efetiva” e não atende “às desigualdades das situações, rendimentos e capacidade contributiva dos proprietários dos imóveis em apreço”.

“É possível reduzir de forma equilibrada a taxa do IMI no Barreiro sem prejudicar a sustentabilidade das contas da CMB, cujas receitas neste particular têm vindo a subir consideravelmente”, acentuam os deputados.

“Se compararmos a evolução da receita de IMI da CMB desde 2009, ano em que a mesma foi de cerca de 6,6 milhões de euros, com as próprias previsões da CMB para 2015 – as quais, que estiveram na base do resgate financeiro do município do Barreiro pelo Estado, ocorrido em 2012, e constam, por conseguinte, do Plano de Adesão ao PAEL (Plano de Apoio à Economia Local) – ano em que é previsto a CMB arrecadar, de IMI, cerca de 10,4 milhões de euros, constata-se que neste período, a receita de IMI do município do Barreiro terá crescido cerca de 60%”, explicam.

Para os deputados municipais do PSD, o voto contra da CDU, à semelhança dos anos anteriores, é “a demonstração de uma insensibilidade gritante para com os barreirenses”, relativamente a esta temática.

PSD acusa a autarquia de deixar ao abandono a Urbanização Casas de Santo António

Após um encontro com os moradores da urbanização das Casas de Santo António na sexta-feira passada, o deputado à Assembleia da República e presidente do PSD Barreiro, Bruno Vitorino, critica a Câmara Municipal pelo estado que se encontra a zona envolvente à urbanização Casas de Santo António, na freguesia de Santo António da Charneca.

O deputado social-democrata, acompanhado pelo líder da bancada do PSD na Assembleia Municipal do Barreiro, Victor Castro Nunes, reuniu com os moradores da urbanização para analisar os problemas vividos no dia-a-dia.

“A decisão da autarquia apagar parte da iluminação pública, em determinadas zonas da urbanização é incompreensível, porque uma coisa é poupança outra é deixar determinados locais às escuras”, aponta Bruno Vitorino, acrescentando que existem outros problemas, nomeadamente a falta de limpeza e manutenção das ruas e passeios, bem como o estado dos espaços verdes e do parque infantil.

“É de lamentar ainda o espaço  que está a total abandono entre a urbanização e a via rápida”, refere.

Partilhe esta notícia