O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, diz que o partido quer contribuir construtivamente em áreas estruturais da sociedade portuguesa, apresentando soluções o mais representativas e sólidas possíveis.

Durante a sua intervenção na inauguração da sede do PSD de Almada, esta terça-feira, Passos Coelho lamentou que a primeira reação do PS fosse “dizer não” às propostas apresentadas pelos social-democratas durante o Congresso realizado no passado fim-de- semana.

“Esperava que a reação fosse outra, em consonância do desafio que nos foi feito. Uma vez que o PS, o PCP e o BE estavam interessados numa participação mais ativa do PSD”, sublinha.

Contudo, o líder dos social-democratas espera “reações diferentes na próxima semana” e consequentemente que exista “um esforço de todas as partes” para se chegar a um consenso para encontrar soluções para responder a problemas transversais da sociedade portuguesa.

Passos Coelho reafirmou a disponibilidade do PSD para participar na discussão das reformas do estado, da segurança social, de uma segunda geração de reformas estruturais para promover o investimento, bem como para uma revisão da lei eleitoral.

Noutro âmbito, o vice-presidente da Distrital do PSD, Paulo Ribeiro, considera que a região de Setúbal “é muito importante para o país e para o partido”, acrescentando que a gestão CDU nas várias autarquias “não tem aproveitado o que de melhor tem o distrito”.

Paulo Ribeiro lembra ainda que o anterior Governo “fez muito pela região”, dando como exemplo o investimento que foi feito no Arsenal do Alfeite, permitindo recapitalizar e modernizar os estaleiros, fazendo com que os mesmos tenham voltado a contratar trabalhadores.

O dirigente distrital acusou ainda o atual Governo de congelar os processos do novo aeroporto complementar no Montijo, a instalação do terminal de contentores no Barreiro.

“O PS colocou um travão nos projetos, que o anterior Governo PSD/CDS tinha iniciado, que eram geradores de riqueza e criação de emprego para o distrito de Setúbal”, acrescentou.

Já com as autárquicas do próximo ano no horizonte, Miguel Salvado pediu ao presidente do PSD uma “candidatura forte para a Almada, com um candidato com visibilidade”, que permita ao partido obter um bom resultado.

O presidente da secção local apontou ainda como objetivos prioritários recuperar a Junta de Freguesia da Costa da Caparica e tentar ganhar noutras freguesias.

06 de Abril de 2016

Partilhe esta notícia