Problemas na travessia fluvial entre Barreiro e Lisboa sem fim à vista

O deputado do PSD do distrito de Setúbal, Bruno Vitorino, acusa o Governo de estar a falhar na resolução dos problemas da travessia fluvial entre o Barreiro e Lisboa, que afetam milhares de pessoas diariamente.

A poucos meses das eleições legislativas, o Governo anunciou a compra de novos navios para a Transtejo. Recorde-se que em 2017, o ministro da tutela anunciou o lançamento de um concurso para a aquisição de 10 novos navios para reforço da frota da Transtejo, afirmando que estes deveriam estar todos disponíveis até 2022.

“Não nos podemos esquecer, que em 2017, também em vésperas de eleições, o primeiro-ministro esteve no Barreiro a prometer a resolução dos problemas da Soflusa. Nada foi feito”, realça Bruno Vitorino.

Agora, o Governo prevê que o primeiro navio seja entregue no final de 2020, com os restantes nove navios a serem entregues até 2024. Contudo, estas embarcações são para as travessias fluviais entre Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão e Lisboa, ficando o Barreiro de fora.

“Novamente, o PS continua a adiar a resolução do problema da Soflusa, empresa responsável por fazer a ligação entre o Barreiro e Lisboa. Supressões de carreiras sem aviso prévio, embarcações sobrelotadas, atrasos constantes que causam grandes constrangimentos a milhares de pessoas”, sublinha.

Bruno Vitorino reforça que esta ligação é a que movimenta mais passageiros entre as duas margens do Tejo, a qual tem sido “constantemente ignorada”.

O social-democrata lamenta que das 10 embarcações prometidas, não exista sequer uma que seja direcionada para a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

“Apesar do Governo ter dado a entender que haveria um reforço da frota para a Soflusa, tal não se concretiza. Será que o que se passa no Barreiro não merece a atenção do Governo?”, questiona.