Há quem lhe chame o fruto do pecado, mas no caso da Maçã Camoesa ou Férrea da Azoia, uma variedade tradicional sesimbrense, o pecado é não as comer, tendo em conta os inúmeros benefícios que o seu consumo tem para a saúde.

E são esses benefícios que poderá também constatar nos dias 4 e 5 de outubro, na Moagem de Sampaio, entre as 9.30 às 14 horas na II Montra das Maçãs de Inverno, numa iniciativa que contará com a presença de vários produtores desta variedade de maçã e da homeopata Vera Gamas.

A maçã Camoesa é produzida na freguesia do Castelo e distingue-se pela mancha avermelhada na face de maior incidência do sol sobre um fundo amarelo e pela polpa ácida, de cor branca e consistência firme. Colhida em setembro era habitual antigamente as pessoas guardarem-nas e deixarem-nas amadurecer até ao Natal, daí que sejam também conhecidas por Maçãs de Inverno. Para além das particularidades visuais, esta maçã tem níveis de antioxidantes e polifenóis muito superiores aos das restantes, por isso é recomendada a doentes anémicos e diabéticos, e é ainda reconhecida pelas suas caraterísticas anticancerígenas.

De forma a divulgar esta variedade sesimbrense junto do público em geral e despertar o interesse de novos agricultores, contribuindo assim para aumentar a sua produção de modo tradicional, a Câmara Municipal, em parceria com a Junta de Freguesia do Castelo e a Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, realizou no ano passado a primeira Mostra de Maçã Camoesa ou Férrea da Azoia. O certame atraiu centenas de visitantes e, em apenas algumas horas, esgotaram os stocks, revelando-se um enorme sucesso, que a organização espera que seja suplantado este ano.

Partilhe esta notícia