Reposição integral dos direitos dos Trabalhadores desde Julho 2015

A Amarsul definiu os Recursos Humanos como preocupação prioritária da empresa ao longo do último ano, promovendo desde logo uma avaliação da situação encontrada após o processo de privatização.

Esse diagnóstico tornou evidente um conjunto de situações que careciam de resolução premente, como tal identificadas por todas as partes interessadas, que a Amarsul se propôs desde logo enfrentar.

Neste sentido, foram implementadas um conjunto de medidas que, apesar de implicarem impactos financeiros relevantes, foram entendidas como essenciais e urgentes para a valorização dos Trabalhadores:

  1. A eliminação de todos os cortes salariais vigentes e a reposição integral das remunerações de todos os Trabalhadores;
  2. O desbloqueio do mecanismo de progressões salariais, com efeitos à data da privatização;
  3. A harmonização dos montantes atribuídos a título de subsídio de refeição para todos os Trabalhadores;
  4. A regularização da situação dos Trabalhadores temporários, com a respetiva integração nos quadros da empresa;
  5. O reconhecimento e valorização da antiguidade de cada Trabalhador prévia ao processo de privatização;
  6. O acesso de todos os Trabalhadores a todos os processos de recrutamento interno do novo acionista;
  7. A manutenção das condições de seguro de saúde, o que implicou suportar um aumento de 5% no custo associado.

 

Relativamente à adesão à greve que decorre, o valor registado às 10h00 é de 45% de adesão.

 

O processo de avaliação da situação permitiu ainda concluir pela necessidade de desenvolvimento adicional de ferramentas básicas, essenciais para a prossecução de qualquer política de recursos humanos, tais como um modelo de avaliação de desempenho e uma estratégia de formação, que permitam desenvolver as competências de todos os Trabalhadores, estando em curso a sua implementação.

Além disso, e sendo este um ano de transição relativamente à entrada em vigor do novo modelo regulatório, a Amarsul integrou, nas contas reguladas que submeteu à Entidade Reguladora no final do mês de Setembro, custos incrementais destinados a assegurar o desenvolvimento de um conjunto de políticas que valorizem os recursos humanos e correspondam ao desempenho evidenciado pelos Trabalhadores, traduzido nos resultados da Empresa.

No que respeita aos motivos apresentados pelo sindicato e constantes do pré-aviso de greve, a Amarsul informa que desde o início manteve uma política de diálogo, recebendo sempre o STAL, ouvindo as suas reivindicações e procurando, na medida do possível, dar resposta aos problemas identificados, dando sempre a conhecer os racionais de decisão associados a cada uma das medidas tomadas.

Não obstante, este pré-aviso e o contexto de incerteza ainda associado à entrada em vigor do novo modelo regulatório, a Amarsul continuará a envidar todos os esforços no sentido de procurar melhorar as condições de trabalho e de remuneração de todos os seus Trabalhadores.

Partilhe esta notícia