A Câmara Municipal de Santiago do Cacém aceitou a proposta da Associação Rota Vicentina para fazer parte do consórcio que envolve também os Municípios de Odemira e de Sines, assim como diversas entidades dos três Concelhos, cujo objetivo principal é a valorização dos territórios do ponto de vista turístico, cultural e desportivo. A parceria estratégica surge no âmbito do PROVER, e do atual Quadro Comunitário – Alentejo 2020.

 

O Presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, avançou que a candidatura “mereceu parecer positivo do Programa Alentejo 2020, sendo que o passo seguinte é a assinatura do contrato entre as entidades que estão envolvidas neste consórcio.” O Autarca explica que “com este consórcio cria-se uma espécie de via verde, que no futuro nos permitirá a abertura de concursos que são direcionados para os projetos integrados dentro desta estratégia.” Esta via verde traduz-se numa vantagem sobre outras entidades, pois “há uma “gaveta” de investimentos que só quem está inserido dentro desta estratégia poderá candidatar-se, no âmbito do Alentejo 2020.”

 

O Município de Santiago do Cacém pretende apresentar a candidatura de três projetos para a concretização de ciclovias no Concelho. Ligar a Cidade de Santo André e a Praia do Porto das Carretas (também chamada de Praia da Vacaria). Em Santiago do Cacém ligar à Cidade a ciclovia que passa no Caminho Municipal 1101, Estrada das Ruínas, e que termina na Estrada Regional 261 que segue para São Domingos e Alvalade. Ainda numa parceria com a Câmara Municipal de Grândola criar uma ciclovia que ligue Ermidas-Sado ao Lousal.

 

No âmbito cultural a Autarquia incluiu a criação do Centro de Artes e Ofícios “um projeto que idealizamos há uns anos atrás, mas que por questão de oportunidade de financiamento não o levámos para a frente, mas que gostaríamos muito de o fazer.” Assim como, o Centro Interpretativo da Lagoa de Santo André, “que também é um projeto muito desejado e que está no nosso Programa Eleitoral.”

 

O Presidente, Álvaro Beijinha, sublinhou que a Autarquia só se avançará com “todos estes projetos se existirem garantias de financiamento com taxas na ordem dos 85%, no mínimo, porque se assim não for não conseguimos avançar para todos eles. De salientar que estes projetos são para concretizar num horizonte de três a quatro anos, e de forma faseada de acordo com as prioridades.”

 

Incluídos na estratégia estão também outros três projetos que não são da responsabilidade direta da Câmara. Trata-se do Museu de Arte Sacra no antigo Hospital do Espírito Santo. O imóvel pertence a uma associação e o projeto é do arquiteto Souto de Moura. O Projeto “Em Cena”, uma parceria entre a Câmara Municipal e a Associação AJAGATO, com o objetivo de reforçar a iniciativa. O Futebol Clube Alvaladense, no seguimento do Raid Alvalade-Porto Covo, pretende criar um conjunto de infraestruturas de apoio ao BTT, que tornem possível a realização do percurso ao longo do ano.

Partilhe esta notícia