A polémica já não é recente, mas o consumo de carne vermelha continua sempre a ser alvo de controvérsias e suscita dúvidas na maioria das pessoas.

Lembra-se do relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), emitido em Outubro de 2015 e que tanto alarme causou? Segundo este, a incidência de cancro colorectal está associado ao consumo diário de 50g de carne processada (bacon, presunto, salsichas, etc.), sendo que a carne vermelha corresponde a um provável fator de risco.

Primeiro, é preciso esclarecer que este relatório não foi emitido com base num estudo recente mas sim no consenso de alguns “especialistas”. De facto, a associação existe, contudo associação não significa CAUSALIDADE.

Segundo, a minha pergunta é: consome todos os dias 50g de carne processada? Se sim, então provavelmente a sua dieta precisa de adequações pois o que prevalece aqui é o bom senso e a moderação.

Se mantiver uma alimentação saudável, rica em hortofrutícolas e pobre em gorduras hidrogenadas e açúcares simples, consumir esporadicamente uma salsicha ou presunto não terá, sem dúvida, um impacto negativo.

Em relação à carne vermelha, não há necessidade comprovada de exclusão do seu consumo. Esta apresenta um valor nutricional importante, quando magras e preparadas de um forma adequada. O mais indicado será também prevalecer o bom senso e ter atenção ao local de proveniência (de preferência a de criação em pasto).

Este artigo não pretende ser um incentivo ao consumo de carne vermelha. Contudo, valerá a pena para a sua saúde evitar a carne enquanto mantiver excesso de peso e/ou continuar a ingerir produtos industrializados como gorduras hidrogenadas, açúcar e farinhas refinadas? Pense nisso.

 

 

Partilhe esta notícia