O sinistro ministro da saúde, Paulo Macedo, tem sido denunciado, em vários artigos do Luta Popular Online, como o coveiro do sistema nacional de saúde (SNS) e responsabilizado por um grande número de mortes ocorridas pela implementação de uma política de austeridade definida pelo governo de traição nacional Coelho/Portas e aplicada rigorosamente por Paulo Macedo.

A morte (assassinato) de Maria Manuela Ferreira de 51 anos, no Hospital de Santa Maria, veio pôr a nu a situação dramática dos doentes infetados por Hepatite C (há 5000 pessoas em risco de progressão para doença grave), que se arrasta desde 2013, com várias mortes, e que se deve única e exclusivamente à decisão economicista dos constantes cortes na saúde e que levou, entre outros casos, à não aquisição do novo medicamento que tem uma taxa de cura de 90%.

Hoje, um grupo de cidadãos portadores de Hepatite C esteve num protesto organizado pela Plataforma Hepatite C, junto à assembleia da República, exigindo o acesso imediato ao tratamento (Sofosbuvir), que salvará estes doentes da morte.

Paulo Macedo foi justa e corajosamente acusado, pelo doente José Carlos Saldanha, de “assassino” pelas mortes que já aconteceram e das que estão “anunciadas” e pediu respostas, nomeadamente no que respeita às autorizações de utilização do medicamento, exigindo celeridade no processo que é de vida ou de morte!

Confrontado com a situação, Paulo Macedo de forma cobarde e com a frieza de um assassino, manipulou a situação, tentando passar a responsabilidade para as farmacêuticas, embora seja traído pelas próprias palavras, quando refere “ (…) não aceitamos que nos imponham preços opacos, até agora temos tido um preço monopolista, de uma entidade cujo único argumento para o preço é a sua efetivada, é um critério que nós recusamos completamente (…) tratar e curar é a nossa prioridade, mas não a qualquer preço, senão qualquer dia estamos a comprar a penicilina ao preço do ouro.”

Em suma, para o sinistro Macedo pouco importa a vida dos doentes que precisam urgentemente do medicamento e que não podem esperar por negociações. Para ele o importante é, como tem acontecido em todas as questões da saúde, encontrar o preço mais baixo, de acordo com as medidas de austeridade impostas, ainda que, no entretanto, continuem a morrer pessoas.

Para que não continuem a morrer mais cidadãos, só há uma única, necessária e urgente resposta: o derrube do governo de traição nacional Coelho/Portas!

 

Artur Antunes

Membro da Assembleia de freguesia da União das freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, eleito pela lista do PCTP/MRPP

Membro do Comité Central do PCTP/MRPP

Partilhe esta notícia