A Federação Distrital de Setúbal, em comunicado, na sequência de uma visita realizada ontem, 13 de novembro, pela comitiva do PS e Setúbal ao Centro de Saúde da Baixa da Banheira, no concelho da Moita e ao Centro de Saúde de Corroios, no concelho do Seixal, revela que encontrou “edifícios sem condições, falta de enfermeiros, consultas que chegam a demorar dois anos e milhares de pessoas sem direito a médico de família”.

Para os socialistas, o Serviço Nacional de Saúde é um dos setores “onde os cortes orçamentais estão a ter efeitos mais nocivos”.

“Estas duas unidades [Centro de Saúde da Baixa da Banheira e Centro de Saúde de Corroios] não apresentam as condições mínimas para a prática dos cuidados de saúde, visto situarem-se em edifícios de habitação. Em Corroios, por exemplo, não se entende por que razão a Câmara Municipal do Seixal ainda não desbloqueou o terreno para a construção de um centro de saúde digno”, revelam, salientando que “parte deste problema poderia ser resolvido com a concretização do concurso de colocação de enfermeiros na ARS LVT que, inexplicavelmente, decorre há já dois anos e sem previsões de ficar concluído”.

 

Leia o comunicado na íntegra:

Os cuidados de Saúde no Distrito de Setúbal estão mais fracos com as políticas do Governo PSD-CDS e não há perspetivas de melhoria.

Edifícios sem condições, falta de enfermeiros, consultas que chegam a demorar dois anos e milhares de pessoas sem direito a médico de família. Estas são apenas algumas das denúncias feitas esta quinta-feira, dia 13 de novembro, à comitiva do PS de Setúbal que visitou dois centros de saúde do Distrito.

Com a discussão do Orçamento de Estado para 2015 em curso, a Federação Distrital de Setúbal do Partido Socialista, está a levar a cabo uma série de visitas sectoriais. O Serviço Nacional de Saúde está no topo das preocupações do PS, visto ser um dos sectores nacionais onde os cortes orçamentais estão a ter efeitos mais nocivos.

Exemplo da má política do governo é o Centro de Saúde de Corroios, no Concelho do Seixal, e o Centro de Saúde da Baixa da Banheira, no Concelho da Moita.

Estas duas unidades não apresentam as condições mínimas para a prática dos cuidados de saúde, visto situarem-se em edifícios de habitação. Em Corroios, por exemplo, não se entende porque razão a Câmara Municipal do Seixal ainda não desbloqueou o terreno para a construção de um centro de saúde digno.

Na visita a Corroios, liderada pela Presidente da Federação do PS de Setúbal, Ana Catarina Mendes, surgiu a denúncia de um número alarmante sobre a falta de médicos de família. Há mais de 16 mil utentes sem acesso ao seu médico de família, uma situação que cria uma forte pressão sobre as urgências no Hospital Garcia de Orta.

A falta de condições e de espaço nas duas unidades de saúde e a carência de enfermeiros está a provocar graves danos aos pacientes. Os tempos de espera para uma primeira consulta, de algumas especialidades, chegam a atingir os dois anos de espera.

Na visita da Federação do PS de Setúbal, em que estiveram igualmente presentes as Deputadas Catarina Marcelino e Eurídice Pereira e dirigentes federativos e concelhios do Partido Socialista, muitos se queixaram de que a falta de enfermeiros e as más condições de resposta aos doentes está a afetar, em particular, o acompanhamento das doenças crónicas, tais como a diabetes, a hipertensão e a saúde materno infantil.

Parte deste problema poderia ser resolvido com a concretização do concurso de colocação de enfermeiros na ARS LVT que, inexplicavelmente, decorre há já dois anos e sem previsões de ficar concluído.

O PS de Setúbal denúncia todas estas situações e alerta para os perigos da aprovação do Orçamento de Estado para 2015, já que não se adivinham dias melhores. Basta lembrar que só nos últimos três anos, o governo procedeu a mais de 300 milhões de euros em cortes no sector da saúde. Uma decisão que está a ter custos inaceitáveis para as populações e que coloca em risco o Serviço Nacional de Saúde, um dos maiores legados da democracia portuguesa.

Partilhe esta notícia