Escondido no Portinho da Arrábida, com uma magnífica vista para a Península de Tróia e Litoral Alentejano, vamos encontrar o Museu Oceanográfico de Setúbal. Este núcleo museológico deve a sua existência da duas importantes figuras da biologia marinha nacional.

Na pequena Fortaleza de Santa Maria, juntinho à foz do rio Sado, vamos encontrar o Museu Oceanográfico de Setúbal. O Forte foi mandado construir por D. Pedro II , em 1676, a pedido dos frades do convento da Arrábida. Estava inserido numa rede de defesa costeira contra os ataques de piratas e inimigos do Reino. O Museu alberga uma coleção particular de fauna marinha e artes de pesca oriunda da região de Setúbal e Sesimbra. Serve também de casa a um laboratório de campo de Biologia do Parque Natural da Arrábida ou Parque Luiz Saldanha onde se realizam estudos com vista à proteção do ambiente Costeiro Marinho (Projecto Biomares).

A criação do Museu Oceanográfico de Setúbal deve-se a duas figuras importantes. Uma Luiz Gonzaga do Nascimento, o colecionador. Outra Luiz Saldanha, o Biólogo Marinho.

 

Luiz Gonzaga do Nascimento, o colecionador

Luiz Gonzaga do Nascimento, era filho de um armador de Setúbal. Desde muito jovem começou a interessar-se pela natureza da região onde vivia e começou a coleccionar, catalogar e conservar espécies que eram capturadas pelos barcos da empresa do pai.

No princípio do século XX dá inicio a uma coleção de fauna marinha da região (Estuário do Sado, Costa da Galé, da Arrábida e Sesimbra e mares profundos do Cabo Espichel).

A nível Internacional estabeleceu vários contactos: Museu Britânico de História Natural, do qual era correspondente, Museu de Madrid, Sociedade Oceanográfica Nipónica. Em 1930 é homenageado com a atribuição do seu nome a uma espécie e uma variedade nova de invertebrados marinhos (Leptogorgia gonzagai e Eunicella ctenocelloides var. nascimentoi).

A sua competência levou-o ao reconhecimento real. O Rei D. Carlos I, outro grande oceanógrafo português , contactou-o para saber como poderia conservar, com as cores originais das espécies que encontrava. Gonzaga do Nascimento nunca revelou o segredo.

Em 1955 o espólio da coleção é doado à cidade de Setúbal nascendo assim o Museu Oceanográfico de Setúbal.

Luiz Saldanha, o Biólogo Marinho.

Não é possível falar de biologia marinha da Arrábida sem falar de Luiz Saldanha. Naturalista no Museu Nacional de História Natural. Trabalhou como oceanógrafo por todo o Mundo e foi responsável por vários organismos nacionais e internacionais ligados à conservação da natureza, à investigação e gestão dos recursos marinhos e ainda como professor de Biologia Marinha na Universidade de Lisboa.

A sua ligação à Arrábida começou quando iniciou os seus trabalhos de Doutoramento efetuados na Costa da Arrábida.

Em 1965 começa a alertar para a necessidade de proteção da Costa da Arrábida e propõe ao Ministério da Marinha a criação de uma reserva marinha.

Só 33 anos mais tarde, em 1998, após a sua morte, é criado o Parque Marinho da Arrábida, designado como Parque Marinho Professor Luiz Saldanha em sua homenagem.

 

Devido aos escassos lugares para estacionar recomenda-se a visita ao Museu fora da época do Verão. Fica aqui a sugestão, saia de casa evite o Centro Comercial e venha conhecer o distrito de Setúbal!!

 

Horário:

3ª a 6ª feira das 10h às 16h

Sábados das 15h às 18h.

Encerra às 2ª feiras, Domingos e Feriados.

Bilhetes: Adultos €1,75

Contactos: 212189791

Morada:

Portinho da Arrábida Fortaleza de Santa Maria

Portinho da Arrábida

2925-378 AZEITÃO

Localização GPS

N 38º28”25.53

O 8º58”58.29

Agradecimentos

Jorge Fortes Martins

Mafalda Gaspar Anjo

Fonte:

http://www.ccmar.ualg.pt/biomares/index.html

Siga-me em www.accessibleheritage.blogspot.pt e www.facebook.com/accessibleheritage

 

Francisco do Livramento José

Licenciatura em Turismo pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Partilhe esta notícia