O projeto de requalificação que vai permitir uma melhoria profunda nas condições para usufruto da população da área envolvente do Convento de Jesus, em Setúbal, foi apresentado publicamente na quinta-feira à noite a moradores e comerciantes da zona.

 

“Estamos a fazer um enorme esforço dar dignidade ao ex-líbris da cidade. É uma requalificação estratégica e histórica que vai dar uma vivência completamente distinta àquela zona da cidade”, sublinhou o vereador das Obras Municipais, Carlos Rabaçal, na sessão, que praticamente encheu o Salão Nobre dos Paços do Concelho.

 

A requalificação da área envolvente do monumento, já em curso, num investimento municipal de cerca de 1,5 milhões de euros, com financiamento comunitário de 65 por cento, transforma o Largo de Jesus numa área vocacionada para usufruto da população e a zona norte/poente com capacidade para duas centenas de lugares de estacionamento.

 

A intervenção no largo contempla um projeto de arquitetura paisagística que resulta na criação de uma “zona de lazer, para qualificar a vivência pela população e pelo comércio ali existente”.

 

O skate parque, que já foi desmantelado, será transferido para o futuro Parque Urbano da Várzea, solução que, frisa Carlos Rabaçal, foi “decidida em conjunto pela autarquia e pelos utilizadores daquele equipamento”.

 

A diretora do Departamento de Obras Municipais, Lénia Mouro, conduziu uma apresentação pormenorizada do projeto, que inclui a conservação e restauro do cruzeiro, o qual será recolocado num local do largo que permite que fique ao eixo em relação ao portal da igreja.

 

A intervenção na praça envolve a criação de um espaço verde, de percursos pedonais, de um plano de água elevado e de um banco ao redor de toda a zona verde para descanso e lazer.

 

A ampliação do adro, que será revestido com um novo lajeado de pedra, a criação de 18 lugares de estacionamento e a relocalização da paragem de autocarro são outras intervenções programadas no Largo de Jesus.

 

A obra é concebida numa lógica de prevenção de cheias, nomeadamente para se evitar que, em situação de intempérie, a água invada o convento. “Para isso, vão ser colocadas pequenas comportas que abrem e fecham consoante a necessidade”, adiantou Lénia Mouro. 

 

Já o projeto para as traseiras do Convento de Jesus, entre a Cerca Pequena e a Cerca Grande, contempla a reorganização do estacionamento com a criação de 161 lugares gratuitos, com pavimento em pedra, e a plantação de mais de uma centena de árvores, como laranjeiras, amendoeiras e oliveiras, e de arbustos de plantas aromáticas.

 

O objetivo é fazer uma ligação histórica com os antigos pomares e espaços de cultivo existentes na cerca do convento.

 

Lénia Mouro sublinhou, igualmente, a restauração do hornaveque, uma antiga estrutura de defesa do convento que atualmente não é visível, com o objetivo de “dignificar este elemento de grande valor histórico, tornando-o mais facilmente identificado”.

 

Será criada uma zona verde de enquadramento de prado regado junto do hornaveque, que também ficará iluminado.

 

A intervenção na zona norte/poente do convento inclui, igualmente, a melhoria dos acessos ao Museu de Setúbal e edifício técnico, a instalação de mobiliário urbano e a criação de mais 41 lugares de estacionamento num terreno da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, onde também serão plantadas árvores de fruto.

 

Tendo em conta a importância do projeto de requalificação da área envolvente deste ex-líbris da cidade, Carlos Rabaçal pede “a compreensão e a ajuda de todos os moradores e comerciantes”, não apenas para “levar a bom porto esta intervenção estratégica”, mas também para que o estaleiro de obras cause a menor perturbação possível.

 

“Pedimos que se mantenham atentos e nos ajudem, com as vossas sugestões, a minimizar os impactes das obras na vossa vida. Pensamos que a parte mais pesada, a que está a decorrer agora, é a que provoca maior perturbação. Depois desta fase, diminuem os constrangimentos.”

 

O chefe da Divisão de Projetos, Concursos e Empreitadas, José Amaro, garantiu que a autarquia está a desenvolver todos os esforços para que “a convivência com as obras seja passiva” e para que, sempre que possível, sejam encontradas alternativas para minimizar os incómodos.

 

O projeto apresentado à população enquadra-se na requalificação geral do Convento de Jesus e área envolvente, uma intervenção assumida pela Câmara Municipal de Setúbal, que se substituiu ao Estado para estancar o processo de degradação do monumento e permitir a reabertura ao público.

 

A requalificação geral do convento, composto por diversas fases, algumas por realizar, num investimento estimado em 12 milhões de euros, começou em 2012 com o restauro do núcleo museológico e o reforço estrutural da cobertura do monumento e do Coro Alto da Igreja de Jesus.

 

A segunda fase, em curso, contempla a recuperação da cobertura, do Coro Alto e da Sala do Capítulo.

 

As terceira, quarta e quinta fases do projeto contemplam a recuperação das salas interiores do convento, que serão transformadas em núcleos museológicos, o restauro do restante edifício e a transformação do Balneário Paula Borba num edifício técnico de apoio ao convento.

 

Esta última fase representa um investimento de um milhão de euros que será alvo de uma candidatura a fundos comunitários no âmbito do Portugal 2020.

 

Fonte:CMSetúbal

Partilhe esta notícia