Na passada reunião de câmara foram aprovadas duas empreitadas para dois projetos de grande importância para o concelho do Seixal. Um destes diz respeito à requalificação das obras de reconversão do núcleo urbano antigo do Seixal e a outra ao lançamento da empreitada da primeira fase de requalificação do Mercado Municipal da Cruz de Pau.

 

No que se refere às obras de requalificação do núcleo urbano antigo, importa lembrar que a empreitada foi adjudicada ao consórcio Luís Frazão/Vibeiras, que ganhou este concurso público com prazo de conclusão previsto para julho de 2016. Contudo, após prorrogação dos prazos e ultrapassado o prazo contratual de execução, a Câmara Municipal do Seixal solicitou a ponderação de uma solução urgente, que em alternativa à resolução contratual, viabilizasse a normalização dos trabalhos, com um ritmo mais adequado à cabal prossecução do interesse público.

 

Desta feita, o consórcio Luís Frazão/Vibeiras, por razões de reorganização do conjunto de obras que lhe foram adjudicadas, solicitou à Câmara Municipal do Seixal que aceitasse a cessão da sua posição contratual à empresa Alves Ribeiro, S.A. Assim, no passado dia 22 de junho foi assinado o contrato de cessão da posição contratual, pelas três entidades e a empresa Alves Ribeiro, S.A.entrou em obra no dia 25 do mesmo mês.

 

Ainda sobre esta situação, tem lugar no dia 5 de junho, pelas 21.30 horas, uma sessão do Fórum Seixal, na Sociedade Filarmónica Democrática Timbre Seixalense, cujo tema é precisamente a “Obra do Prolongamento do Passeio Ribeirinho e Requalificação das Infraestruturas do Núcleo Urbano Antigo do Seixal”.  Neste âmbito, pretende a Câmara Municipal do Seixal informar e esclarecer a população sobre as obras que estão a decorrer, sobre a cessão da posição contratual, da qual resultou a alteração de empreiteiro, assim como informar como se irá proceder para o término das fases que estão por concluir.

 

No que se refere à empreitada da primeira fase da requalificação do Mercado Municipal da Cruz de Pau, o lançamento do concurso público foi aprovado na última reunião de câmara pelo valor de 477 mil euros, com um prazo de execução de 150 dias. Esta primeira fase pretende intervir na requalificação do edifício, assim como na sua zona envolvente mais direta, nos acessos e no estacionamento. A intervenção no edifício será de remodelação e ampliação, dotando o mesmo de espaços adequados para conservação de legumes e frescos, criação de instalações sanitárias para os utentes e outras com características de vestiário/balneário para apoio aos feirantes. A reformulação passa essencialmente por revestimentos das paredes, bancas de venda e espaço de higienização, de forma a dotar o mercado de melhores condições quer para os agentes económicos quer para os utentes.

 

Partilhe esta notícia