O Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Barreiro Montijo, por intermédio de um comunicado, reagiu à notícia que dá conta que o Ministério Público acusou quatro especialistas e técnicos oncológicos do Instituto Português de Oncologia de Lisboa e do Hospital do Barreiro de corrupção, publicada este sábado no Expresso.

De acordo com o CHBM, “nenhum dos nomes vindos a público, e que terão sido acusados a propósito deste processo-crime, corresponde a trabalhadores atuais do CHBM”.

A administração refere ainda que, desde 2009 o Serviço de Radioterapia “vem realizando, em média, cerca de 30.000 tratamentos anuais”, acrescentando que está previsto “o início de novas técnicas de tratamento no corrente ano”.

 

Comunicado do Conselho de Administração do CHBM:

Tendo em atenção as notícias divulgadas no último fim-de-semana sobre diversos indivíduos arguidos que teriam sido constituídos como tal por factos ocorridos nos Serviços de Radioterapia do IPO Lisboa e Hospital do Barreiro, considera o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Barreiro Montijo dever esclarecer o seguinte:

  1. Nenhum dos nomes vindos a público, e que terão sido acusados a propósito deste processo-crime, corresponde a trabalhadores atuais do CHBM, embora dois dos visados tenham em tempo tido colaborações temporárias neste hospital, através de entidades prestadoras de serviços externos;
  2. O Serviço de Radioterapia do CHBM tem 32 colaboradores de diversa diferenciação, e está certificado desde 2009 pela Norma NP EN ISO 9001/2008 para as atividades de planeamento, administração e controlo de radioterapia externa em doentes do foro oncológico. Realiza tratamentos aos doentes oriundos do Hospital Garcia de Orta, Centro Hospitalar de Setúbal, Hospital Vila Franca de Xira e o Hospital do Barreiro, com intervenções de complexidade diversa e apropriada ao estado dos mesmos, decididos em consulta multidisciplinar;
  3. Desde 2009, o mesmo Serviço vem realizando, em média, cerca de 30.000 tratamentos anuais, estando previsto o início de novas técnicas de tratamento no corrente ano.
Partilhe esta notícia