De acordo com o ministro da Saúde, Paulo Macedo, “existem 2125 utentes sem médico de família no Centro de Saúde de Grândola”. Para que todos utentes, cerca de 14283, tivessem médico de família seriam necessários “nove médicos de Medicina Geral e Familiar”.

Atualmente, o Centro de Saúde dispõe de “oito médicos, dois dos quais prestadores de serviços médicos e um médico a realizar o internato complementar de Medicina Geral e Familiar”. No entanto, para os utentes inscritos neste Centro de Saúde, no quadro pessoal “deveriam constar nove médicos, 13 enfermeiros, oito assistentes operacionais, 10 assistentes técnicos, um assistente social, um técnico de saúde ambiental, um higienista oral e um fisioterapeuta”, revela Paulo Macedo.

O ministro destaca ainda que considerando “o afluxo de utentes/ doentes no período noturno e a escassez de recursos humanos, designadamente de médicos, não se prevê o alargamento do funcionamento do Centro de Saúde de Grândola”, salientando que “Grândola tem a Urgência Médico-Cirúrgica (Hospital do Litoral Alentejano) e a Urgência Básica (Alcácer do Sal) a uma distância de 30 minutos”.

Os esclarecimentos foram prestados na sequência de umas perguntas enviadas ao Governo pelos deputados João Semedo e Mariana Aiveca do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda.

 

Consulte as respostas na íntegra aqui:

Resposta-Governo

Partilhe esta notícia