Inaugurou hoje no Parque Empresarial do Barreiro da Baía do Tejo, no espaço Ephemera, a exposição de cartazes espontâneos do arquivo de Pacheco Pereira. Uma iniciativa conjunta da Baía do Tejo, Ephemera e ESAD.

A exposição, integrada pelo município nas comemorações do 25 de Abril da cidade do Barreiro, contou com a presença do executivo municipal, com diver
sas entidades locais e regionais de cariz associativo e com múltiplos clientes dos Parques Empresariais da Baía do Tejo, que aderem cada vez mais às iniciativas que a empresa proporciona às comunidades envolventes.

Esta exposição, inédita no nosso país, confirma-se como a primeira iniciativa da parceria estabelecida entre a Baía do Tejo e a Ephemera, que prevê o desenvolvimento regular de uma programação cultural que vai resultar em exposições, conferências e debates que vão marcar, numa perspetiva que ultrapassa a dimensão económica e de gestão de parques empresariais, os territórios Lisbon south Bay.

Nas palavras de abertura da inauguração da exposição, Jacinto Pereira, presidente da Baía do Tejo, referiu que “Este é mais um momento de consolidação do cluster de indústrias criativas nos territórios da Baía do Tejo, nomeadamente, no Barreiro” e confirmou que, “de acordo com as orientações estratégicas que a empresa tem defnido, as transformações que estão a acontecer neste território vão definitivamente permitir às populações usufruir destes espaços que pretendemos sejam, cada vez mais, marcados por uma dinâmica económica e cultural crescentes.

Pacheco Pereira começou por referir que “Não me calo” é a mensagem de um pequeno cartaz que integra esta exposição e que era para ter sido esse o nome da exposição. Segundo o próprio, a exposição O Que Faz falta é Agitar a Malta, “é precisamente a tradução de que o protesto, a reivindicação e a expressão individual, na sua mais pura essência, são a base de uma democracia saudável” a qual se oporá sempre “a uma lógica de falsos consensos.”

Helena Sofia Silva, que divide a curadoria da exposição com Pacheco Pereira, destacou “a importância da expressão popular nas sociedades atuais” e não deixou de confirmar que O Que Faz falta é Agitar a Malta vai fazer parte da Porto Design Biennale em 2019.

Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro,  começou por destacar “a oportunidade da data para inaugurar esta exposição”, deu as boas vindas da Ephemera à cidade do Barreiro e reconheceu a importância da sua presença no Parque Empresarial da Baía do Tejo.

A exposição vai estar patente ao público até ao próximo dia 30 de junho, aos sábados, entre as 15h e as 19h. Também às sextas-feiras e domingos no mesmo horário, sob reserva através do  endereço: visitasephemera@gmail.com

 

 

O Que Faz falta é Agitar a Malta — Cartazes do Arquivo Ephemera

Rua 48, Armazém 3

Baía do Tejo, Parque Empresarial do Barreiro

https://goo.gl/maps/LjXtEiFA9cU2

datas

24 ABR, 17:00 — inauguração

Rua 48, Armazém 3, Baía do Tejo, Parque Empresarial Barreiro 

29 JUN, 17:00 — conversa com curadores e convidados antecedida de visita guiada à exposição

Auditório do Museu Industrial da Baía do Tejo

30 JUN — encerramento

Rua 48, Armazém 3, Baía do Tejo, Parque Empresarial Barreiro

Partilhe esta notícia