No âmbito do “III Programa de Ação para a Prevenção e Eliminação da Mutilação Genital Feminina 2014-2017”, a Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal (ESS/IPS), a Direção-Geral da Saúde (DGS) e a Comissão de Igualdade de Género (CIG) em colaboração com a Associação para o Planeamento da Família (APF) lançam a nova Pós-graduação em Saúde Sexual e Reprodutiva – Mutilação Genital Feminina.

A mutilação genital feminina continua a constituir-se como uma prática tradicional em diferentes culturas, afetando os direitos e a saúde sexual e reprodutiva das mulheres em qualquer idade, pelo que urge a necessidade de criar diferentes meios e métodos que auxiliem na eliminação e denúncia desta prática. Nesse sentido, o IPS considerou “pertinente” desenvolver uma nova pós-graduação que “ dote, em especial, os profissionais da área de saúde (Ginecologia/Obstetrícia e Pediatria) ou os que atuam no apoio a crianças e jovens em risco (Psicólogos e Técnicos de Serviço Social) de conhecimentos aprofundados sobre esta temática, preparando-os para atuarem perante situações de risco/casos de mutilação” e, simultaneamente, que motive os formandos para “a criação de projetos de intervenção nos seus locais de trabalho, focados na eliminação da mutilação genital feminina”.

A nova Pós-graduação será ministrada pela ESS/IPS, em horário laboral, a partir de amanhã [dia 15 de janeiro], nas instalações da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do IPS, Campus do Barreiro do IPS.

Partilhe esta notícia